Dubai vai injetar capital na companhia aérea Emirates

  • Lusa
  • 31 Março 2020

A crise causada pela pandemia de covid-19 obrigou a transportadora a suspender os voos de passageiros. O Dubai vai injetar capital na companhia aérea.

O Dubai vai injetar capital na companhia aérea Emirates para a ajudar a atravessar a crise causada pela pandemia de covid-19, que obrigou a transportadora a suspender os voos de passageiros.

A Emirates Airlines, com uma frota de 271 de aviões de grandes dimensões, é a maior companhia aérea do Médio Oriente e uma peça fundamental para a economia do Dubai e dos Emirados Árabes Unidos, em geral.

“O Governo do Dubai compromete-se a apoiar em pleno a Emirates neste momento crítico e vai injetar capitais na companhia”, declarou o príncipe herdeiro do emirado, Hamdane ben Mohammed ben Rached Al-Maktoum, no Twitter.

“A Emirates, a nossa transportadora nacional, fez do Dubai uma placa giratória mundial do transporte aéreo e tem grande valor estratégico, sendo um dos principais pilares da economia do Dubai e dos Emirados Árabes Unidos”, acrescentou, sem adiantar detalhes sobre a intervenção.

A Emirates, que tem a maior frota de aviões gigantes A-380 com 118 exemplares, suspendeu os voos de passageiros na semana passada, no momento em que o país adotou medidas para conter a propagação do novo coronavírus.

A companhia reduziu os custos baixando entre 25 e 50% os salários base da maior parte dos 100 mil funcionários, sublinhando que esta decisão se destinava a evitar despedimentos. A companhia aérea transportou cerca de 90 milhões de passageiros no ano passado e é uma das poucas com lucros nos últimos anos.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) indicou na semana passada que as receitas das companhias aéreas do Médio Oriente devem registar uma descida de 19 mil milhões de dólares em 2020, uma redução de 39% em relação ao ano anterior. Nos Emirados Árabes Unidos, uma federação com sete membros, incluindo o Dubai, foram assinalados 611 casos de covid-19 e cinco mortes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dubai vai injetar capital na companhia aérea Emirates

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião