ACT vai poder suspender despedimentos para “travar abusos das entidades patronais”, anuncia Costa

O Conselho de Ministros reuniu-se esta quinta-feira para legislar a regulamentação do estado de emergência em Portugal para o período em que será prolongado. O Governo decidiu reforçar o poder da ACT.

O Presidente da República propôs, o Governo e a Assembleia da República disseram que sim e agora cabe ao Executivo regulamentar o prolongamento do estado de emergência. Essa foi a tarefa do Conselho de Ministros que ocorreu esta quinta-feira de tarde no Palácio da Ajuda. À saída da reunião, António Costa avançou que uma das alterações é que a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) vai poder “suspender qualquer despedimento cujos indícios de ilegalidade sejam manifestos e assim evitar o abuso das entidades patronais”.

Em conferência de imprensa transmitida no Twitter, o primeiro-ministro revelou que “infelizmente neste período, não obstante as medidas que têm sido adotadas […], tem havido alguns abusos nas relações laborais“.

É essa a razão que leva o Governo a aproveitar a porta aberta pelo decreto do Presidente da República para limitar os despedimentos. O texto entregue por Marcelo Rebelo de Sousa permite que sejam impostas “limitações ou modificações à respetiva atividade, incluindo limitações aos despedimentos”.

António Costa explicou que a ACT vai ter um reforço das suas competências e recursos, passando a haver a possibilidade de serem requisitados inspetores a outras áreas do Estado (IGF, ASAE ou IGAC, por exemplo) para reforçar os recursos humanos da Autoridade. A requisição será feita pelo primeiro-ministro e pela ministra do Trabalho.

Os inspetores da ACT passarão a poder decidir suspender os despedimentos em que haja “indícios manifestos” de que a lei laboral não está a ser cumprida. O objetivo é “evitar o abuso das entidades patronais”, ou seja, ter uma “mão repressiva para agir contra a exceção” das empresas que estão a violar a lei, notou Costa, elogiando a maioria das empresas, “a regra”, pelo esforço que estão a fazer.

Ninguém tem o direito de aproveitar desta circunstância para abusar desta oportunidade para fragilizar os direitos dos trabalhadores“, afirmou o chefe de Estado, argumentando que tem de haver “o maior sentido de solidariedade possível” entre todos, caso contrário cria-se “o risco de rotura social” com estes despedimentos “injustificados”. Ainda assim, Costa admitiu também que existe um impacto significativo do confinamento nos negócios, mas relembrou que o Governo lançou medidas exatamente para evitar que as empresas fechem as portas.

Nas últimas semanas, a CGTP tem sublinhado que a ACT não tem tido meios suficientes para fiscalizar todos os “atropelos” laborais que se têm verificado. Em declarações ao ECO, Isabel Camarinha afirmou que “é escandaloso o que se está a passar nas empresas em termos de cessação de contratos“, avançando mesmo que “são aos milhares os trabalhadores que estão a ser mandados embora”. “A ACT não tem meios para acorrer a todas as situações, porque são muitas”, denunciou.

(Notícia atualizada às 18h56 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ACT vai poder suspender despedimentos para “travar abusos das entidades patronais”, anuncia Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião