Tem uma PME? Siga estes nove passos para implementar de forma eficaz o teletrabalho

As PME representam mais de 99% do tecido empresarial português e grande parte já adotou o teletrabalho. Saiba como implementá-lo na sua empresa de forma eficaz e garantir o regresso à normalidade.

O teletrabalho é uma das medidas de contingência para combater a propagação do novo coronavírus. Mas esta medida não se aplica só a empresas tecnológicas. As pequenas e médias empresas representam mais de 99% do tecido empresarial português, nos mais variados setores. Para estas, tendencialmente menos tech, e que nunca recorreram ao teletrabalho, esta transição para o remoto pode representar um grande desafio.

A Sage, empresa de gestão empresarial na cloud, reuniu nove passos para implementar o teletrabalho de forma eficaz e garantir o regresso à normalidade — ao mesmo tempo que ajuda a testar novos modelos de trabalho e tornar o futuro mais flexível e digital. Conheça-as:

  • Elabore um plano de contingência

De acordo com a Sage, é essencial que comece por elaborar um plano de ação, que inclua os passos a seguir e que deve incluir a equipa de direção. Neste plano, devem estar incluídas as orientações sobre como esta se deve relacionar com os colaboradores e outras partes interessadas (clientes, parceiros, fornecedores, etc), durante o período do trabalho remoto.

  • Avalie os meios disponíveis

Para conseguir implementar o trabalho à distância, deve garantir que cada trabalhador tem acesso às soluções tecnológicas e aplicações mais úteis para cada situação. Aposte em soluções de gestão online ou na cloud, uma vez que são altamente colaborativas e podem ser controladas a partir de qualquer lugar.

  • Avalie as tarefas impossíveis de realizar em teletrabalho

Nem todo o trabalho pode ser feito à distância. Dessa forma, avalie as tarefas previstas e a viabilidade da sua realização de forma remota. É necessário analisar o impacto que estas tarefas terão nos processos, nos recursos materiais e humanos da empresa e nas suas relações externas.

  • Saiba quem são os colaboradores críticos

Avalie a experiência, competências e formação de cada trabalhador, para que consiga continuar a acompanhá-los à distância. “As empresas devem acompanhar mais de perto os colaboradores com mais responsabilidade, mas que se preveja que podem encontrar mais dificuldades neste processo – podem até considerar a sua orientação personalizada”, sublinha a Sage.

"Se a sua implementação [teletrabalho] for realizada de forma cuidadosa e adequada, ele pode vir a revelar-se o elemento que faltava para que muitas PMEs possam enfrentar os desafios organizacionais do futuro demonstrar a sua capacidade de adaptação tecnológica em todos os momentos.”

Sage
  • Crie indicadores e acompanhe o desempenho dos trabalhadores

As PME devem definir indicadores objetivos, simples de interpretar, continuamente acessíveis e informativos sobre como o desempenho dos colaboradores e como devem enfrentar as tarefas. Estes indicadores permitirão avaliar os progressos realizados na experiência do teletrabalho.

  • Analise o impacto externo

Muitos encontros terão de ser adiados e alguns serviços terão de ser prestados ou recebidos de forma diferente. “Neste sentido, é necessário um esforço maior de agenda e de comunicação para enfrentar estas mudanças“, alerta a Sage.

  • Comunique com os colaboradores

O feedback dos colaboradores relativamente ao plano de ação é muito importante e poderá implicar algumas retificações. “É importante delinear um fluxo adequado de comunicação, incluindo a escolha dos melhores momentos para transmitir informações, de que forma deverá ser feito e a quem”, aconselha a empresa.

  • Avalie a experiência ao longo do tempo

Os indicadores definidos devem orientar as PME na avaliação do que está, ou não, a ser bem realizado. Será necessário ir analisando os desvios e propondo medidas de correção.

  • Planeie o regresso à normalidade

O regresso à normalidade também deve ser planeado, defende a Sage. Algumas das estratégias implementadas durante o teletrabalho podem ter potencial para continuar a ser utilizadas, e algumas tarefas poderão também continuar a ser realizadas à distância. “É muito importante a comunicação durante o processo de reajustamento das operações“, ressalva a Sage.

  • Avalie os resultados da experiência e o impacto que teve na empresa

Após a experiência de teletrabalho em situações de crise, é importante avaliar alguns aspetos: Qual foi o impacto da crise? O teletrabalho remoto contribuiu para moderar esse impacto? O que aprendi com a aplicação do teletrabalho e sobre a sua robustez face a situações de crise? Como se comportou a empresa em comparação com os seus concorrentes diretos?

“Se a sua implementação [teletrabalho] for realizada de forma cuidadosa e adequada, pode vir a revelar-se o elemento que faltava para que muitas PMEs possam enfrentar os desafios organizacionais do futuro demonstrar a sua capacidade de adaptação tecnológica em todos os momentos”, lembra a Sage.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem uma PME? Siga estes nove passos para implementar de forma eficaz o teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião