Da caça de hóspedes nas redes sociais aos saldos no Airbnb. Alojamento Local desesperado com o Covid-19

O alojamento local está deserto e os proprietários veem-se obrigados a recorrer a "promoções" e ao alojamento de média duração. Mas nem assim é fácil encontrar hóspedes. Setor estima quebras de 90%.

O surto de coronavírus está a deixar praticamente todos os setores em crise, principalmente o turístico. Se os hotéis não têm turistas, o Alojamento Local (AL) está sem hóspedes, estimando-se perdas de até 80% em março, que podem chegar aos 90% nos próximos três meses. Os proprietários estão desesperados e já recorrem a alternativas, socorrendo-se, entre outros, das redes sociais para encontrarem “clientes”. Há até mesmo quem esteja a pensar sair deste mercado e explorar o arrendamento de média duração.

Paulo Santos, nome fictício, estreou-se no AL em junho de 2014. Hoje tem 20 imóveis para arrendamento de curta duração em Lisboa, a maioria nos bairros históricos, atualmente considerados zonas de contenção. É um dos muitos proprietários que recorreu às redes sociais para encontrar hóspedes, por considerar que as habituais plataformas já não são suficientes. “Neste momento temos todos os apartamentos desocupados, e juntamente com o Facebook, também estamos a trabalhar os apartamentos em sites e plataformas alternativas“, diz, ao ECO.

O impacto no negócio começou a ser sentido há cerca de duas, três semanas. Paulo Santos arrisca mesmo a dizer que “12 de março marca o ponto de inflexão”, dia em que o Governo aprovou um conjunto de medidas extraordinárias de resposta ao surto de coronavírus. Ainda assim, nem o recurso ao Facebook está a produzir efeitos. Ao segundo dia do anúncio, o proprietário baixou o preço em 50 euros do T1 que estava a arrendar. “Mesmo assim não é fácil encontrar hóspedes, de todo”, afirma, notando que, “neste momento nada é fácil, sobretudo no arrendamento de curta duração”.

“Para já, o objetivo é chegar às pessoas que pretendem manter-se em segurança durante o período de isolamento”, diz o proprietário, e isso inclui “os poucos estrangeiros que ainda se encontram em Lisboa a aguardar que a situação nos seus países de origem melhore, como estudantes e trabalhadores que se encontrem em apartamentos partilhados e decidam priorizar o isolamento, procurando condições para o teletrabalho“.

“Saldos” nas plataformas de arrendamento. Há descontos de 50%

Ir à caça de hóspedes nas redes sociais é uma opção. Outra é lançar um isco mais apetecível e esperar que os hóspedes o “mordam”. É exatamente isto que acontece em plataformas de arrendamento, como o Airbnb. Uma pesquisa rápida por casas para arrendar no Airbnb mostra um cenário semelhante a uma Black Friday, com descontos nas estadias quase de 50%. O ECO pesquisou uma estadia para duas pessoas, para abril, dos dias 1 a 30, em Lisboa. A plataforma tem disponíveis mais de 300 habitações e quase todas estão com redução de preço.

Um estúdio em Alfama, que teria um preço normal de 1.215 euros para abril, está agora disponível por 658 euros, menos 557 euros do que o normal (-46%). Outro apartamento em Alfama, com vista para o rio, que custaria 1.713 euros, passa agora para 942 euros, um desconto de 771 euros (-45%). E ainda este apartamento T1 em Campo de Ourique, com uma “vista linda” sobre a cidade, custaria, para o mês completo, 2.183 euros. Com o desconto, o preço cai para 1.222 euros, o equivalente a um desconto de 961 euros (-44%).

O ECO questionou o Airbnb sobre a percentagem de anúncios que estavam com descontos e, principalmente, sobre a taxa de ocupação para os próximos dois meses, mas a plataforma não adiantou esses dados. Contudo, nota que, a 14 de março, estendeu a todos os países a “Política de Causa de Força Maior”, para facilitar os cancelamentos aos hóspedes, sem custos, das estadias previstas até 31 de maio. Além disso, o Airbnb anunciou esta semana um fundo de 250 milhões de dólares (226 milhões de euros) para ajudar os proprietários que sofreram cancelamentos.

E não são poucos os anfitriões que se dizem desesperados devido ao número sucessivo de cancelamentos. Há grupos privados no Facebook para proprietários de AL, em que as queixas e dúvidas se multiplicam. “Estou com os apartamentos vazios”, lê-se, “aguentem apenas dois ou três meses”, escreve outro. “Este ano está perdido” e “vamos passar uns tempos difíceis” são alguns dos comentários que se leem.

Há quem queira sair do AL. O problema são as mais-valias

Dado o atual cenário, há mesmo quem esteja a ponderar sair do alojamento local e dedicar-se ao arrendamento de média duração, diz o presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) ao ECO. “Procurar outros segmentos é uma das opções que muitos consideram interessantes para aguentar, como o mid-term, quando o arrendamento passa de um mês até quatro ou cinco, embora seja um mercado muito mais limitado”, explica Eduardo Miranda, referindo que esta é uma tendência que já estava a acontecer e que “é natural que se intensifique com esta crise”.

Confrontado com os anúncios que têm sido colocados no Facebook, o responsável admite conhecer a situação e afirma mesmo que o objetivo de muitos proprietários atualmente é “tentar arranjar hóspedes de média duração”. Ainda assim, há muito que tentam ir por esse caminho, mas não conseguem, porque há um problema: a questão das mais-valias, que são um “obstáculo gigantesco”. “As pessoas não conseguem sair do AL porque têm medo de pagar um valor absurdo em mais-valias”, explica.

O novo Orçamento do Estado trouxe novidades para o AL. O Governo decidiu acabar com as mais-valias, mas apenas para quem passe para o mercado do arrendamento de longa duração, ou seja, o imóvel tem de ficar no “arrendamento tradicional” por, pelo menos, cinco anos consecutivos. E isto, para os proprietários, não faz sentido. “A mais-valia só deve ser paga se o imóvel for vendido”, defende Eduardo Miranda, sublinhando que “muita gente vai querer sair do AL e encontrar soluções, mas está presa porque não quer fazer um arrendamento de longo prazo”. “Ninguém está a dizer que não quer pagar mais-valias. Mas desistir da atividade não é o mesmo que vender o imóvel”, continua.

Mais uma pesquisa pelos grupos privados de proprietários no Facebook e lê-se comentários como: “Estou a tentar o mercado do arrendamento mensal de média duração com prestação de serviços de AL, mas está a ser difícil. Possivelmente vou ter de entregar os imóveis ao senhorio porque não aguento vários meses de renda sem negócio“. Ou então dúvidas como: “Por acaso alguém tem um contrato modelo de maior duração de AL que possa disponibilizar?”.

Paulo Santos, o proprietário com quem o ECO falou, dizem que, por enquanto, passar para o arrendamento de longa duração não está em cima da mesa, contudo, admite ser uma possibilidade. “Para uma empresa familiar como a nossa, em que a estrutura e modelo de negócio principais estão virados para o arrendamento de curta duração, não é uma opção ao dia de hoje. Mas é uma possibilidade que teremos de considerar face às medidas tomadas pelo Governo nas próximas semanas“, diz, referindo que as medidas adotadas pelo Estado e pelas autarquias são “claramente insuficientes”. “É uma morte anunciado do setor caso estes encerramentos durem mais de dois meses”, afirma.

Setor antecipa quebras entre 80% a 90% nas receitas

Os números concretos ainda não são possíveis de apurar, mas as estimativas — quase reais — apontam todas no mesmo sentido. Numa altura em que “o arrendamento de curta duração praticamente não existe”, Eduardo Mirando diz que as “expectativas são de que as receitas de ocupação sejam quase nulas”. Ao ECO, o presidente da ALEP afirma mesmo que “é quase como pegar nas receitas de março do ano passado e retirar quase aquilo tudo, cerca de 80%. Não vai sobrar muito. E março ainda teve a primeira semana”.

Por sua vez, Paulo Santos estima uma quebra de 50% nas receitas de março, mas bastante mais nos próximos meses: “90% em abril, maio e junho”. Ao ECO, o proprietário de AL diz que, ao dia de hoje, não se atreve a especular mais além desses meses, mas que “as previsões apontam para quebras acima dos 50%”. Para quando uma recuperação no setor? “Essa é a pergunta de um milhão de euros. Acredito em julho ou agosto”.

(Notícia atualizada com retificação do prazo de duração do alojamento local)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da caça de hóspedes nas redes sociais aos saldos no Airbnb. Alojamento Local desesperado com o Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião