Como manter a cultura da empresa quando a equipa está em teletrabalho?

Há milhares de pessoas em teletrabalho para evitar a propagação do Covid-19. À distância, torna-se mais difícil transmitir os valores da empresa e pô-los em prática. Como manter a cultura da empresa?

Milhares de trabalhadores em teletrabalho. Sessões de boas-vindas a novos colaboradores e entrevistas de trabalho feitas remotamente. Reuniões em vídeo ou por telefone. Atualmente estão milhões de pessoas confinadas em suas casas, cumprindo as recomendações de isolamento social para combater a propagação do coronavírus. Quem conseguiu manter a sua atividade profissional adotou o teletrabalho que, para muitas empresas, é uma forma completamente diferente de trabalhar e que traz inúmeros desafios.

O trabalho remoto traz grande desafios para os gestores e líderes, que têm de continuar a atrair e a reter talento, manter uma comunicação eficaz, hábitos e rotinas, e praticar valores que fazem parte da cultura organizacional.

As empresas que estão em regime de teletrabalho têm à sua frente o desafio de manter a robustez da cultura organizacional, conseguindo que os trabalhadores tenham a mesma experiencia mas… à distância.

A empresa de CRM Pipedrive propõe algumas estratégias para que as empresas consigam manter a cultura organizacional em teletrabalho.

  • Disponibilize os canais de comunicação e promova a criatividade

Para garantir que os trabalhadores se mantêm produtivos, disponibilize os meios de comunicação necessários para que consiga comunicar com cada um deles. Manter a rotina vai garantir que as pessoas continuem motivadas, criativas e que sejam capazes de entregar novas soluções.

“Para poder chegar aos trabalhadores da melhor forma, é necessário ouvi-los desde o primeiro momento e garantir que possuem as mesmas condições, caso estivessem a trabalhar a partir do seu escritório. Se o trabalhador precisa de uma cadeira de escritório mais confortável ou do segundo ecrã que utiliza normalmente, é importante que sejam concedidos estes pedidos tanto quanto possível”, alerta a Pipedrive.

  • Seja flexível e promova rotinas equilibradas

As condições que o trabalhador tem em casa poderão não ser as mesmas garantidas no espaço de trabalho habitual. Enquanto líder, tente estar atento às preocupações e angústias da sua equipa, mas para encontrar formas de adaptar o trabalho remoto às necessidades dos trabalhadores.

Aceder a pedidos simples como ir tratar do filho por um momento ou a realização de outras tarefas pode contribuir para uma maior felicidade do trabalhador”, exemplifica a Pipedrive.

  • Dê feedback e promova a autonomia

“É importante perceber que, apesar de já não se encontrarem no mesmo local físico, o apoio e o feedback dado aos trabalhadores deve ser o mesmo, para que não se sintam perdidos nesta nova realidade”, refere.

É fundamental que os trabalhadores se sintam acompanhados e tenham um canal aberto de comunicação com os colegas e superiores, onde possam colocar perguntas ou receber feedback. A ideia é não perder o espírito de grupo e de entreajuda, confiando sempre na autonomia e capacidade de cada um.

  • Garanta o bem-estar físico e mental dos trabalhadores

“Outra das medidas que a Pipedrive está a aplicar passa pela prática de 15 minutos de exercício, com um personal trainer online, para que os colaboradores possam manter este mesmo bem-estar físico e mental“, refere a empresa.

Outra ideia é manter as reuniões semanais e mensais programadas, bem como os momentos de lazer. Para conseguir fazê-lo, alerta a Pipedrive, reúna os trabalhadores apenas para conversar num contexto relaxado e sem falar de trabalho. Esta pode ser uma das técnicas para promover o bem-estar de quem trabalha no projeto e mantê-los motivados e comprometidos com os valores da empresa. Promova e crie oportunidades para que o colaborador desligue do trabalho, seja com aulas em grupo, sessões de coaching ou formação online, através de videochamadas ou aplicações que ajudem a relaxar.

  • Desenvolva alternativas para os processos de recrutamento e onboarding

Em teletrabalho, as entrevistas presenciais e os processos de acolhimento de novos trabalhadores ficam muitas vezes suspensos, caso da Pipedrive. Mas há alternativas. Para dar continuidade a estes processos, desenvolva alternativas reais e seguras para promover estas experiências, de uma forma que permita ao novo trabalhador ter contacto com os valores e cultura da empresa. Apostar em realizar entrevistas por videoconferência ou promover a assinatura de contratos de forma digital podem ser formas de adaptação a esta nova realidade, remata a Pipedrive.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como manter a cultura da empresa quando a equipa está em teletrabalho?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião