Entrevistas à distância? Não têm de ser um problema

Uma entrevista de emprego pode ser um momento decisivo. Em tempo de coronavírus, a consultora Robert Walters dá alguns conselhos a futuros candidatos que se preparam para entrevistas à distância.

A quarentena devido ao coronavírus tem levado à suspensão de entrevistas de trabalho e formações. Contudo, mesmo à distância, há processos de recrutamento a decorrer e as entrevistas são uma parte fundamental do processo. Plataformas como o Skype podem ser uma alternativa às entrevistas presenciais mas, com elas, surgem desafios e alguns passos importantes para que a entrevista corra o melhor possível.

De acordo com a consultora de recrutamento Robert Walters, há alguns passos importantes a tomar mesmo nas entrevistas virtuais.

  • Escolha o username no Skype

Opte por utilizar o seu nome como nome de utilizador no Skype, para ser mais profissional. Não se esqueça de informar a empresa.

  • Prepare e organizar o espaço envolvente

Antes de começar a entrevista, certifique todas as condições para que corra da melhor forma, tal como o volume do computador, o barulho de fundo, a ligação à internet e o enquadramento do ecrã. Para ouvir melhor e evitar o eco, utilize headphones com microfone incluído e não o sistema de som do computador e coloque em modo voo os dispositivos eletrónicos. As interferências de som e ruído podem prejudicar a entrevista, por isso deve fechar as janelas para evitar ruídos do exterior.

  • Mantenha uma boa postura

Evite estar deitado e opte por sentar-se inclinado para a frente em direção à câmara e com o computador apoiado numa mesa. Isto permitirá criar um ambiente de maior proximidade, semelhante ao de uma entrevista presencial. Garanta ainda que a sala ou o local onde se encontra tem boa iluminação e que o entrevistador consegue ver os seus ombros e rosto.

“Além disso, a linguagem corporal deve ser o mais natural possível, mantendo sempre um sorriso, e falando devagar — em entrevistas por vídeo é mais difícil perceber e avaliar o que está a ser dito”, exemplifica a consultora. “Para garantir que as suas respostas são compreendidas, diga: “Respondi à sua pergunta, ou precisa de mais informação?”

Da mesma forma, vá acenando positivamente com a cabeça e repetindo expressões que demonstram que consegue ouvir o entrevistador, como “sim”, “claro”, “pois”, etc.”, sublinha. A consultora aconselha ainda q que aposte em roupas mais escuras e sem padrões, para evitar distrações.

  • Olhe para a câmara

Para que fique mais envolvido na conversa, deverá olhar diretamente para a câmara do tablet ou computador, e não para a sua própria imagem no ecrã. De acordo com a Robert Walters, esta é uma forma de manter o contacto visual e permitir que o entrevistador leia as suas expressões faciais.

  • Antecipe problemas técnicos

Se tiver uma falha técnica, como por exemplo uma falha na ligação, peça ao entrevistador que repita a pergunta. Se o problema persistir, mencione-o educadamente e volte a conectar-se para evitar a perda de informações cruciais. A monitorização da velocidade e do tom do seu discurso também ajudará a preparar-se para qualquer atraso na comunicação.

  • Teste e verificar toda as condições

Antes de começar a entrevista, certifique-se de que tem todas as condições para que corra da melhor forma. Peça a um amigo que “ensaie” consigo a entrevista e teste todos os passos anteriores.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entrevistas à distância? Não têm de ser um problema

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião