Entrevistas à distância? Não têm de ser um problema

Uma entrevista de emprego pode ser um momento decisivo. Em tempo de coronavírus, a consultora Robert Walters dá alguns conselhos a futuros candidatos que se preparam para entrevistas à distância.

A quarentena devido ao coronavírus tem levado à suspensão de entrevistas de trabalho e formações. Contudo, mesmo à distância, há processos de recrutamento a decorrer e as entrevistas são uma parte fundamental do processo. Plataformas como o Skype podem ser uma alternativa às entrevistas presenciais mas, com elas, surgem desafios e alguns passos importantes para que a entrevista corra o melhor possível.

De acordo com a consultora de recrutamento Robert Walters, há alguns passos importantes a tomar mesmo nas entrevistas virtuais.

  • Escolha o username no Skype

Opte por utilizar o seu nome como nome de utilizador no Skype, para ser mais profissional. Não se esqueça de informar a empresa.

  • Prepare e organizar o espaço envolvente

Antes de começar a entrevista, certifique todas as condições para que corra da melhor forma, tal como o volume do computador, o barulho de fundo, a ligação à internet e o enquadramento do ecrã. Para ouvir melhor e evitar o eco, utilize headphones com microfone incluído e não o sistema de som do computador e coloque em modo voo os dispositivos eletrónicos. As interferências de som e ruído podem prejudicar a entrevista, por isso deve fechar as janelas para evitar ruídos do exterior.

  • Mantenha uma boa postura

Evite estar deitado e opte por sentar-se inclinado para a frente em direção à câmara e com o computador apoiado numa mesa. Isto permitirá criar um ambiente de maior proximidade, semelhante ao de uma entrevista presencial. Garanta ainda que a sala ou o local onde se encontra tem boa iluminação e que o entrevistador consegue ver os seus ombros e rosto.

“Além disso, a linguagem corporal deve ser o mais natural possível, mantendo sempre um sorriso, e falando devagar — em entrevistas por vídeo é mais difícil perceber e avaliar o que está a ser dito”, exemplifica a consultora. “Para garantir que as suas respostas são compreendidas, diga: “Respondi à sua pergunta, ou precisa de mais informação?”

Da mesma forma, vá acenando positivamente com a cabeça e repetindo expressões que demonstram que consegue ouvir o entrevistador, como “sim”, “claro”, “pois”, etc.”, sublinha. A consultora aconselha ainda q que aposte em roupas mais escuras e sem padrões, para evitar distrações.

  • Olhe para a câmara

Para que fique mais envolvido na conversa, deverá olhar diretamente para a câmara do tablet ou computador, e não para a sua própria imagem no ecrã. De acordo com a Robert Walters, esta é uma forma de manter o contacto visual e permitir que o entrevistador leia as suas expressões faciais.

  • Antecipe problemas técnicos

Se tiver uma falha técnica, como por exemplo uma falha na ligação, peça ao entrevistador que repita a pergunta. Se o problema persistir, mencione-o educadamente e volte a conectar-se para evitar a perda de informações cruciais. A monitorização da velocidade e do tom do seu discurso também ajudará a preparar-se para qualquer atraso na comunicação.

  • Teste e verificar toda as condições

Antes de começar a entrevista, certifique-se de que tem todas as condições para que corra da melhor forma. Peça a um amigo que “ensaie” consigo a entrevista e teste todos os passos anteriores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entrevistas à distância? Não têm de ser um problema

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião