Startup Lisboa lança site para ajudar PME’s no teletrabalho

Plataforma agrega notícias e outros conteúdos sobre trabalho remoto para ajudar a orientar pequenas e médias empresas cujos trabalhadores estejam a trabalhar a partir de casa.

A Startup Lisboa lançou esta terça-feira uma plataforma online para ajudar as PME’s a responder aos desafios do teletrabalho, motivados pela propagação do coronavírus no nosso país. A iniciativa surge depois do apelo da câmara municipal de Lisboa, que incentivou players locais a criarem ferramentas que ajudassem o tecido empresarial de Lisboa a superar a crise motivada pela pandemia.

A incubadora lisboeta lança assim o portal Trabalhar de Casa, cujo objetivo é “facilitar o acesso das PME’s a estas plataformas digitais e modelos de trabalho já utilizados em grande parte das startups”, explica a Startup Lisboa em comunicado.

“Numa fase em que quase todas as empresas são obrigadas a funcionar com os seus colaboradores num regime de teletrabalho, a Startup Lisboa criou um portal onde equipas e gestores podem encontrar um repositório de dicas, boas práticas e ferramentas essenciais para uma boa produtividade e melhor gestão do trabalho à distância“, assegura a incubadora.

A plataforma também conta com um índice com ferramentas que podem ser úteis para a comunicação das equipas, partilha de ficheiros ou gestão de projetos.

A 23 de março, a câmara de Lisboa anunciou ter disponível uma verba de cerca de 300 milhões de euros para fazer face à pandemia de covid-19. Dois dias depois, o presidente da Câmara de Lisboa (CML) anunciava um plano para fazer face à crise provocada pelo novo coronavírus. São, ao todo, 15 medidas económicas que têm como objetivo “criar melhores condições para o relançamento da atividade económica” da capital, numa altura em que muitas lojas estão de portas fechadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup Lisboa lança site para ajudar PME’s no teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião