Voluntários lançam linha “Somos Tod@s Digitais”. Ajudam “população sénior” a comunicar à distância

Nasceu um call center de voluntários para ajudar a população vulnerável a comunicar a distância. Se tem dificuldade em usar ferramentas digitais, peça ajuda ligando gratuitamente para o 800 100 555.

Com boa parte do mundo fechada em casa, a tecnologia ganhou uma relevância enquanto facilitadora da nossa comunicação. A utilização de ferramentas como o Skype e o Zoom disparou ao longo do último mês, um crescimento que teve reflexo na subida expressiva do tráfego nas redes das operadoras. Mas nem toda a gente sabe, por exemplo, fazer uma videochamada ou partilhar fotos com a família.

É a pensar nas camadas mais vulneráveis da população que nasce o projeto “Somos Tod@s Digitais”, uma linha telefónica para “esclarecer e ajudar todos os que precisem de apoio na utilização das principais plataformas de comunicação”. A linha está disponível através do 800 100 555 e o objetivo é “apoiar de forma imediata e continuada todas as pessoas com acesso à internet que tenham maior dificuldade em utilizar as tecnologias digitais, com particular destaque para as aplicações que permitem manter o contacto social e a realização de interações à distância”.

Esta é uma iniciativa do INcoDe.2030 que conta com o apoio da Nos na execução da linha de apoio, assim como a supervisão do Digital Transformation Colab, em articulação com a Unidade de Computação Científica Nacional da Fundação para a Ciência e Tecnologia. A linha, que deverá ser lançada na próxima semana, e cujo número é gratuito, funcionará “todos os dias da semana”, de segunda a domingo, entre as 12h00 e as 20h00.

“Numa altura em que a pandemia do Covid-19 nos obriga a um distanciamento social, é determinante apoiar a população mais sénior e infoexcluída nesta aproximação ao mundo digital, possibilitando-lhes um outro tipo de contacto próximo com os seus familiares e amigos através das diferentes aplicações”, informam os promotores, num comunicado.

Os promotores explicam ainda que “o atendimento é efetuado por estudantes do ensino superior, de cursos ligados à informática e sistemas de informação, em regime de voluntariado”. “Os estudantes são supervisionados por docentes da instituição, em estreita articulação com a organização do projeto”, acrescentam.

Pelo menos 1.234 voluntários estão “disponíveis para esclarecer todos os que precisem de apoio na utilização das principais plataformas de comunicação”, tais como “Facebook, Instagram, Messenger, WhatsApp e Skype”. “As questões a que dão resposta vão desde ‘como fazer uma videochamada’ a ‘criar uma conta numa rede social’, ‘partilhar fotografias com a família e amigos’, entre outras funcionalidades das aplicações de comunicação mais utilizadas”, referem.

O objetivo é também o de cativar outras instituições de ensino superior a colaborarem com grupos de voluntários para este call center: “Qualquer instituição de ensino superior do país pode contribuir com grupos de voluntários, devendo os estudantes frequentar cursos ligados às áreas de informática e sistemas de informação ou áreas afins”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Voluntários lançam linha “Somos Tod@s Digitais”. Ajudam “população sénior” a comunicar à distância

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião