Vírus. Portugal está a emitir menos 52 mil toneladas de CO2 por dia, diz a Zero

  • Lusa
  • 8 Abril 2020

A “redução inédita e sem precedentes” de gases com efeito de estufa deve-se à quebra nos consumos de gasóleo, gasolina, jetfue, à paragem das centrais a carvão e a um ligeiro recuo no consumo de luz.

Portugal está a emitir menos 52 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2) por dia devido às medidas para conter a propagação do novo coronavírus, estima a organização ambientalista Zero.

A “redução inédita e sem precedentes” de gases com efeito de estufa deve-se à quebra nos consumos de gasóleo, gasolina e combustível para a aviação, à paragem das centrais a carvão e a um ligeiro recuo no consumo de eletricidade, revelou a organização em comunicado.

A redução de 52 mil toneladas de CO2 obtém-se comparando com o período homólogo, ou seja o mês de março de 2019, segundo as contas da Zero.

Fonte: European Space Agency

Com base em dados divulgados, dando conta da quebra de 60% nas vendas de gasolina e de 40% de gasóleo, devido às medidas para minimizar a propagação do vírus que provoca a doença Covid-19, e com base em dados de março do ano passado da Direção-Geral de Energia e Geologia, a Zero estima uma quebra de emissões associadas ao transporte rodoviário de 56%.

Esta quebra, nas contas da Zero levou a uma redução de 48,3 mil toneladas de CO2 por dia para 21,2 mil toneladas por dia.

Depois, com base nos dados da REN – Redes Energéticas Nacionais relativos a março de 2020, e comparando com março de 2019, diz a organização ambientalista que houve um decréscimo de emissões de 373 mil toneladas de CO2 no último mês, quando houve um aumento da percentagem de produção de energia renovável (de 64,2% para 73,5%).

“A paragem da central a carvão de Sines, já que a central do Pego no ano passado também já tinha estado praticamente parada todo o mês, traduziu-se numa redução de emissões de 515 mil toneladas de dióxido de carbono”, diz a Zero, que considera ainda uma ligeira quebra no consumo de eletricidade da ordem dos 0,5% à escala mensal.

Assim, contas feitas, segundo o comunicado, as emissões médias diárias de CO2, na produção de energia, recuaram de 26,7 mil toneladas por dia para 14,7 mil toneladas por dia.

A redução para mais de metade das emissões nos dois setores soma cerca de menos 40 mil toneladas de CO2 por dia, o que corresponde a 22% do total de emissões diárias de gases com efeito de estufa de Portugal em 2018.

Em relação ao setor da aviação as contas não são tão fáceis. A Zero considera o recuo de pelo menos 95% do total de voos e as quantidades de ‘jet-fuel’ consumidas (números da Direção-Geral de Energia e Geologia) e calcula uma redução aproximada de 12,7 mil toneladas de CO2 por dia.

No total são assim mais de 52 mil toneladas de CO2 que deixam de ser enviadas para atmosfera a cada dia, um valor que no entender da Zero pode ser mais expressivo “com o recuo de outros setores da atividade económica”.

No comunicado a Zero analisa ainda os dados de 2018 sobre a redução de emissões (que Portugal enviou à Convenção das Nações Unidas para as Alterações Climáticas), que dão conta de uma redução de emissões em 4,5% entre 2017 e 2018.

A Zero assinala como positivo o recuo de 14% das emissões associadas à produção de eletricidade, com mais renováveis e menos uso de carvão, mas assinala a continuação do elevado peso das emissões do setor dos transportes, e “a enorme distância que é preciso percorrer para que a floresta compense as restantes emissões como está previsto que ocorra em 2050”.

E diz que a atual redução de emissões é conjuntural, mas que quando se der a recuperação económica deve ser estrutural, sendo necessário “uma mudança de rumo” para um futuro sustentável.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vírus. Portugal está a emitir menos 52 mil toneladas de CO2 por dia, diz a Zero

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião