Emissões de gases com efeito de estufa na UE recuam 8,7% em 2019

  • Lusa
  • 5 Maio 2020

O maior corte nas emissões – de 15% - foi alcançado no setor da produção de eletricidade, o que reflete a descarbonização resultante da substituição do carvão por fontes renováveis e gás.

As emissões de gases com efeito de estufa (GEE) dos operadores abrangidos pelo Regime de Comércio de Licenças de Emissão da União Europeia recuou 8,7% em 2019, face a 2018, divulgou hoje a Comissão Europeia.

Esta redução resulta de uma diminuição de 9% das emissões de infraestruturas fixas (indústrias, centrais energéticas) e um aumento de 1% das emissões no setor da aviação.

O maior corte nas emissões – de 15% – foi alcançado no setor da produção de eletricidade, o que reflete a descarbonização resultante da substituição do carvão por fontes renováveis e gás.

Na indústria não energética, a redução foi de 2% e abrangeu praticamente todos os setores, incluindo a metalurgia, produtos químicos e refinarias.

A redução das emissões de GEE, em 2019, enquadrou-se num contexto de crescimento económico na União Europeia (1,5%).

Segundo a Comissão Europeia, o nível de conformidade das infraestruturas e dos operadores de aeronaves com o Regime de Comércio de Licenças de Emissão da União Europeia (ETS, na sigla inglesa) é de mais de 99% das emissões abrangidas pelas licenças de emissão das instalações estacionárias totais comunicadas.

O ETS visa reduzir as emissões de carbono da indústria ao exigir às empresas que possuam licenças para cada tonelada de CO2 que emitam.

As empresas têm que adquirir estas licenças através de leilões, existindo alguns incentivos para estimular a inovação no setor.

O ETS europeu é o maior mercado de carbono do mundo, regula perto de 45% das emissões totais de gases com efeito de estufa da UE e cobre aproximadamente 11 mil centrais elétricas e fábricas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emissões de gases com efeito de estufa na UE recuam 8,7% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião