Direita acusa Governo de “enorme desrespeito ao Parlamento” no apoio aos sócios-gerentes

PSD, CDS-PP e Chega criticam "timing" do Governo, no que diz respeito ao novo alargamento do apoio dos sócios-gerentes, e acusam o Executivo de "enorme desrespeito" ao Parlamento.

O Governo escolheu anunciar o novo alargamento do apoio extraordinário destinado aos sócios-gerentes no dia em que, no Parlamento, já estavam agendadas para discussão seis propostas dos vários partidos nesse sentido. Para o PSD e para o CDS-PP, esse timing do Executivo “roça alguma desconsideração institucional” pela Assembleia da República. O Chega vai mais longe no ataque. “É um enorme desrespeito ao Parlamento”, defendeu André Ventura, no debate desta quarta-feira.

No pacote de apoios originalmente lançado pelo Governo em resposta à pandemia de coronavírus, não estava previsto qualquer apoio para os sócios-gerentes. Entretanto, e após muitas críticas, a ajuda extraordinária preparada para os trabalhadores independentes acabou por ser alargada a estes portugueses. O Executivo fez, contudo, depender o acesso a esse apoio de duas condições: não ter trabalhadores dependentes e não ter mais de 60 mil euros em faturação.

De acordo com os vários partidos, da direita à esquerda, estes requisitos tornaram essa medida insuficiente, já que vedaram o acesso à ajuda a milhares de empresários de microempresas, que já puseram, em alguns casos, os seus trabalhadores em lay-off, mas continuam sem proteção social para si mesmos.

Por isso, PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal, PEV, PAN e Bloco de Esquerda propuseram à Assembleia da República diversas soluções para reforçar a proteção social em causa, nomeadamente através da possibilidade dos sócios-gerentes serem também enquadrados no regime de lay-off.

A discussão desses projetos de lei ficou marcada para esta quarta-feira, dia em que o Executivo de António Costa escolheu para anunciar que será aprovado em Conselho de Ministros, na quinta-feira, um alargamento do apoio para os sócios-gerentes de microempresas (até dez trabalhadores dependentes). Para a direita, este timing é um “desrespeito” para com o Parlamento.

“Esta quarta-feira, tão convenientemente, perante a iminência da decisão desta Assembleia, [o Governo] já veio dizer que se vai antecipar e que vai fazer o que não fez e nem era sua intenção fazer”, atirou o social-democrata Cristóvão Norte, no debate desta tarde. Para o deputado, a escolha do Governo “roça alguma desconsideração institucional” pela Assembleia da República, tendo apelado a que os parlamentares solucionem esta situação de “flagrante injustiça”.

Semelhantes palavras usou também o deputado centrista Telmo Correia. “O Governo ao vir anunciar [esta quarta-feira o alargamento do apoio] é um sinal de desconsideração pelo Parlamento, quando teve muito mais que um mês para o fazer e não se percebe porque não o fez”. “O Governo, numa manobra de habilidade, apresenta uma solução que já devia ter chegado antes“, acrescentou João Gonçalves Pereira. O deputado do CDS criticou ainda a “política errática” do Executivo.

Mais duro no ataque, André Ventura acusou o Governo de um “enorme desrespeito” pelo Parlamento, já que se adivinhava, disse o deputado, uma maioria negativa a favor do alargamento do apoio dos sócios-gerentes. Ventura afirmou ainda: “O Governo quis ganhar tempo”. E questionou o Executivo sobre o prazo de retroatividade do apoio, sugerindo que a escolha do momento para proceder a este alargamento também poderá ter estado ligada à poupança das verbas do Estado.

Em abril, por exemplo, quando o Governo lançou o primeiro apoio aos sócios-gerentes, fechou a porta a qualquer prestação relativa a março, referindo que a entrada em vigor dessa medida não chegava a tempo de abranger esse período.

Por outro lado, no debate desta quarta-feira, Bloco de Esquerda, PCP e PAN criticaram a posição do PSD, que há um mês tinha ajudado a chumbar propostas exatamente no mesmo sentido daquelas que hoje se discutiram. “Esperemos que hoje impere a resposta solidária em vez de jogos que deixam sempre os mesmos para trás”, atirou a bloquista Isabel Pires.

Já o Iniciativa Liberal atacou as propostas em cima da mesa por limitarem os apoios às empresas mais pequenas, defendendo que todos os sócios-gerentes, independentemente do tamanho da empresa, devem ter proteção social.

Estas propostas serão votadas na quinta-feira, após o debate quinzenal com o primeiro-ministro. Para o mesmo dia está marcada a reunião de Conselho de Ministros que deverá aprovar o tal alargamento anunciado esta quarta-feira.

Atualmente, o apoio previsto para os sócios-gerentes tem como valor máximo 635 euros, baseando o cálculo desta ajuda na remuneração recebida em fevereiro, declarada em março, ou na ausência dessa remuneração, no valor do Indexante dos Apoios Sociais (438,81 euros).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Direita acusa Governo de “enorme desrespeito ao Parlamento” no apoio aos sócios-gerentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião