Mais de 12 mil sócios-gerentes pediram apoio ao Estado

O apoio extraordinário dado aos trabalhadores independentes foi alargado em abril aos sócios-gerentes e já conta com mais de 12 mil pedidos em cerca de 15 dias.

12.668 sócios-gerentes pediram ajuda ao Estado até esta segunda-feira para aguentarem este período de aperto na sequência da pandemia, segundo os dados atualizados pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Destes mais de 12 mil sócios-gerentes que pediram o apoio do Estado em cerca de 15 dias, 4.526 alegam ter tido uma redução da atividade enquanto os restantes 8.142 dizem ter tido uma paragem total da sua atividade.

Na semana passada, no Parlamento, a ministra do Trabalho avançou que, até ao momento, cerca de oito mil sócios-gerentes já tinham pedido o apoio extraordinário, que deverá ser pago em maio.

O Governo tinha identificado como universo potencial para esta medida 176 mil beneficiários. Esta ajuda está disponível apenas para os sócios-gerentes sem trabalhadores dependentes e com até 60 mil euros de faturação anual, o que levou a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) a dizer que este apoio “deixa milhares de fora”.

A prestação paga ao abrigo deste apoio extraordinário terá por base a remuneração de fevereiro (declarada em março ao Estado) ou, na ausência dessa remuneração, o valor do Indexante dos Apoios Sociais (438,81 euros), segundo a portaria publicada pelo Governo.

Caso essa remuneração seja inferior ao valor de 1,5 vezes o Indexante dos Apoios Sociais (cerca de 658,2 euros), o apoio é igual ao valor dessa remuneração com um limite máximo de 438,81 euros. Já se a remuneração de fevereiro ultrapassar os tais 658,2 euros, o apoio passa a corresponder a dois terços dessa remuneração, com o limite máximo de 635 euros (o salário mínimo nacional). Este apoio tem a duração de um mês, sendo prorrogável mensalmente até ao máximo de seis meses.

Os sócios-gerentes foram incluídos em abril ao apoio extraordinário que o Executivo criou para os trabalhadores independentes afetados pela crise pandémica, após ter recebido críticas dos partidos. No caso dos trabalhadores independentes, mais de 186 mil já pediram este apoio extraordinário ao Estado, sendo que a esmagadora maioria (180 mil) é por paragem completa da atividade, segundo os dados do GEP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 12 mil sócios-gerentes pediram apoio ao Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião