Linhas de crédito Covid-19 receberam mais de 43 mil candidaturas. Já esgotaram mais duas linhas

As operações aprovadas correspondem a um valor de 4,3 mil milhões de euros, 70% da dotação total da linha, revela a SPGM. Linhas para apoiar agências de viagem e actividade económica estão esgotadas.

As linhas de crédito para apoiar a liquidez das empresas receberam mais de 43 mil candidaturas, revela a Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua (SPGM) em comunicado. Em causa estão as quatro linhas de crédito, que foram alargadas a quase todos os setores e reforçadas para uma dotação global de 6,2 mil milhões de euros, sendo que duas delas já atingiram o plafond máximo definido.

Foram encerradas as linhas específicas de “Apoio a Agências de Viagem, Animação Turística, Organizadores de Eventos e Similares” e de “Apoio à Atividade Económica, explica a SPGM, acrescentando que as “operações entradas nas Sociedades de Garantia Mútua, e ainda em processo de análise serão decididas e aprovadas até ao plafond total estabelecido por linha específica”.

O ECO questionou o Ministério da Economia sobre se os 6,2 mil milhões de euros das linhas seriam reforçados tendo em conta que os plafonds máximos estavam a ser atingidos, mas não obteve resposta. Isto porque a Comissão Europeia, a 4 de abril, autorizou o Governo a alargar as linhas de crédito com garantia de Estado a 13 mil milhões de euros.

Em termos de beneficiários destas linhas, os dados divulgados revelam que das mais de 43 mil candidaturas recebidas, 84% correspondem a micro ou pequenas empresas, e já foram aprovadas cerca de 80% destas operações solicitadas por empresas de menor dimensão e com maiores necessidades de liquidez no curto prazo.

Só nas últimas duas semanas, a procura registada e o volume de candidaturas apresentadas à Linha de Apoio à Economia Covid-19 corresponderam a cerca do dobro do número total das garantias emitidas pela Garantia Mútua, em todo o ano de 2019“, revela a SPGM.

Muitas candidaturas não estavam “devidamente preenchidas”

A SPGM revela ainda que apesar destas linhas estarem em vigor desde 30 de março, “mais de 94% das candidaturas foram apresentadas” pelos bancos ao Sistema de Garantia Mútua, depois de 16 de abril. Esta afluência de candidaturas obrigou mesmo a “suspender temporariamente a plataforma eletrónica de entrada de candidaturas” para garantir ” a análise e aprovação das operações dentro dos prazos estipulados, mas também, uma avaliação da utilização dos plafonds disponíveis”.

"Após a aprovação pelo Sistema de Garantia Mútua, compete às instituições de crédito assegurar a contratação das operações com as empresas beneficiárias dos financiamentos.”

SPGM

O tempo de aprovação das candidaturas tem sido uma das principais críticas dos empresários. Mas a SPGM avança que “o prazo médio de decisão pelo sistema de garantia foi de quatro dias úteis após receção do formulário de candidatura devidamente preenchido pela instituição de crédito e com todos os elementos necessários à análise de risco para efeitos da obtenção da garantia”. O problema é que muitas candidaturas não estavam “devidamente preenchidas” logo de início, até porque o número de documentos exigidos às empresas aumentou aquando da revisão das condições das linhas.

A SPGM explica, no mesmo comunicado, o processo de aprovação das candidaturas. “Após a aprovação pelo Sistema de Garantia Mútua, compete às instituições de crédito assegurar a contratação das operações com as empresas beneficiárias dos financiamentos e enviar os respetivos contratos às sociedades de garantia mútua. Depois da receção eletrónica dos contratos formalizados entre o banco e a empresa, em média, a contratação das operações de garantia pelas sociedades de garantia mútua tem um prazo de concretização de um dia útil, após o qual a instituição de crédito pode disponibilizar os fundos à empresa”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Linhas de crédito Covid-19 receberam mais de 43 mil candidaturas. Já esgotaram mais duas linhas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião