Vírus atira Nos para prejuízos de 10,4 milhões. Telecom reforça provisões para dívidas de clientes

A empresa justifica a queda com "os efeitos da pandemia Covid-19, pelo aumento de custos não recorrentes, nomeadamente o aumento de provisões para fazer face ao aumento de dívidas incobráveis".

A Nos registou prejuízos de 10,4 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, valor que compara com lucros de 42,5 milhões de euros registados no mesmo período do ano anterior. A empresa justifica a queda com “os efeitos da pandemia Covid-19, pelo aumento de custos não recorrentes, nomeadamente o aumento de provisões para fazer face ao aumento de dívidas incobráveis”.

Além disso, a Nos refere que o “contributo das empresas associadas deteriorou-se de forma significativa, registando perdas de 8,8 milhões de euros, com uma contribuição negativa da Sport TV e da ZAP, devido ao registo de imparidades e provisões”, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Já a atividade operacional da Nos registou um aumento, ainda que pouco expressivo, refletindo as restrições decorrentes da pandemia. Se, por um lado, o consumo das famílias foi estável, sentiu-se “pressão” do lado das empresas, devido à redução ou encerramento completo de atividade. Desta forma, o número de serviços prestados cresceu 2,1% para 9,708 milhões.

A atividade de cinemas e audiovisuais da empresa foi das mais afetadas pela pandemia, tendo sido determinado o seu encerramento em meados de março. A empresa salienta, apesar de tudo, que o investimento foi reforçado neste período, nomeadamente na área de telecomunicações, para 88,2 milhões de euros, excluindo contratos de leasing.

Tendo em conta o panorama, as receitas apresentaram uma quebra homóloga de 3% para 345,4 milhões de euros, “assistindo-se a uma quebra, de diferente intensidade, em todas as linhas de negócio”, nota a empresa. No primeiro trimestre, o EBITDA [lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] atingiu 152,7 milhões de euros.

A empresa sinaliza que está, nesta altura, a preparar a próxima “vaga de crescimento”. Para tal, vai contribuir a alienação da empresa que detinha as torres de telecomunicações à Cellnex Telecom. “Esta venda, cujo processo já estava a decorrer antes da chegada da pandemia, permite libertar capital empregue em ativos não diferenciadores, reinvestindo nos projetos de melhoria da experiência dos nossos clientes e de crescimento futuro”, sublinha Miguel Almeida, CEO da Nos, citado em comunicado.

(Notícia atualizada às 18h45)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vírus atira Nos para prejuízos de 10,4 milhões. Telecom reforça provisões para dívidas de clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião