5 coisas que vão marcar o dia

Economia e contas públicas portuguesas antes do vírus vão estar em análise com novos dados económicos e o parecer sobre a Conta Geral do Estado.

Os ministros das Finanças da Zona Euro encontram-se com a missão pós-programa a Portugal na agenda. No mesmo dia, serão conhecidos novos dados sobre as exportações e importações nacionais e o Parlamento vai falar sobre os “erros” encontrados pelo Tribunal de Contas na Conta Geral do Estado de 2018. No campo empresarial, as elétricas reagem à apresentação de resultados.

Ecofin discute economia portuguesa

Os ministros das Finanças reúnem-se esta sexta-feira em mais um encontro virtual do Eurogrupo. Desta vez, a economia portuguesa é um dos temas em agenda já que o país foi alvo de uma missão pós-programa da Comissão Europeia. A visita foi feita em fevereiro, antes de o surto de Covid-19 chegar à Europa, mas já na altura os técnicos identificavam “pressões” na despesa pública. Outro tema em foco será a situação económica na Zona Euro, no seguimento da divulgação das previsões de primavera da Comissão Europeia.

Lagarde fala da reabertura da economia

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, vai participar na reunião do Eurogrupo, bem como participar numa conferência online organizada pelo Instituto Universitário Europeu na qual irá discursar sobre políticas económicas no rescaldo da pandemia. Durante a manhã, a autoridade monetária da Zona Euro vai também divulgar dados sobre o acesso das empresas europeias a financiamento.

Exportações penalizadas pelo vírus

Em termos de dados económicos, o principal destaque vão ser as estatísticas do comércio internacional referentes a março de 2020. O relatório divulgado, às 11h, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) vai permitir avaliar já perceber o impacto do coronavírus nas exportações e importações nacionais. Além disso, o INE publica ainda o Índice de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria no mesmo mês.

TdC pronuncia-se sobre Conta Geral do Estado

No Parlamento, está marcada uma audição do Tribunal de Contas focada na apreciação do parecer sobre Conta Geral do Estado de 2018. A audição acontece depois de a instituição liderada por Vítor Caldeira ter entregado um parecer sobre o fecho das contas públicas de 2018 em que aponta “erros materialmente relevantes”.

Elétricas reagem à apresentação de contas

Na bolsa de Lisboa, o foco vão ser as elétricas, após os resultados. A EDP Renováveis lucrou 62 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, um ligeiro aumento face ao mesmo período do ano passado explicado pelo menor impacto da fiscalidade, enquanto a EDP revelou um forte crescimento dos lucros, de 45%, para 146 milhões, num período em que o confinamento teve um “impacto reduzido”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião