Decathlon encerra loja online. Quer despachar encomendas “em atraso”

A marca desportiva Decathlon decidiu encerrar a loja online para se focar em despachar encomendas que estão "em atraso". Com ginásios fechados, vírus resultou num "aumento extraordinário" da procura.

A cadeia de artigos desportivos Decathlon decidiu encerrar “temporariamente” a sua loja online em plena pandemia. A empresa explica que tomou a decisão para se poder focar nas encomendas que “estão em atraso” em resultado do impacto do Covid-19.

“Devido ao elevado número de encomendas, neste período excecional e inesperado, estamos a dar prioridade máxima e exclusiva às encomendas que, infelizmente, estão em atraso. Por este motivo, as compras online estão temporariamente indisponíveis”, avisou a Decathlon numa mensagem no seu portal na manhã desta quarta-feira.

No site da Decathlon surgiu ainda a indicação de que, apesar do encerramento da loja online, os clientes podem “continuar a recolher ou comprar” à porta dos estabelecimentos. “Fica disponível apenas o serviço de recolha em loja. Pode também comprar à porta da sua loja”, acrescentou a marca, que prometeu tentar resolver a situação com a maior rapidez possível.

Decathlon encerra loja online para despachar encomendas “em atraso”.Decathlon

Entretanto, já depois da publicação desta notícia, a loja online da Decathlon voltou a ficar disponível. O site apresenta agora outra indicação: “Tendo em conta a situação extraordinária que estamos a viver, alargámos o prazo médio de entrega para sete dias úteis. Estamos a fazer tudo para voltar a entregar em 24 horas”, lê-se no portal.

Procura registou “aumento extraordinário”

No atual contexto de pandemia, em que uma parcela significativa da população portuguesa está confinada ao respetivo domicílio para prevenir o contágio pelo novo coronavírus, os artigos desportivos têm sido alvo de forte procura. Os ginásios estão fechados e a prática desportiva cingiu-se às atividades que podem ser feitas dentro das quatro paredes de casa.

Contactada no sentido de esclarecer se o encerramento se deveu a um aumento da procura ou a outras dificuldades logísticas, a marca confirmou estar, efetivamente, a assistir a um momento de maior procura pelos artigos vendidos através da loja virtual. Porém, não deu mais detalhes quanto à dimensão desse aumento.

“O excecional período que vivemos e a importância da manutenção da prática desportiva, e consequente adaptação à nova realidade, levou a um aumento extraordinário da procura online”, indica fonte oficial da empresa. Face a isto, com o surgimento da pandemia, a marca explica que decidiu manter ativa a operação com a venda online, por considerar que é “importante o acesso a material desportivo, até como forma de contribuir para o bem-estar físico e psicológico de quem está a cumprir recomendações de confinamento”.

Mas a procura pelos artigos pela internet foi tal que a empresa tem vindo a aplicar um travão, de forma a garantir que continua apta a dar resposta: “Tivemos recentemente que tomar esta decisão para garantir a satisfação e expectativa dos nossos clientes”, confessa fonte oficial da Decathlon.

“A nossa loja online esteve efetivamente indisponível durante algumas horas [esta quarta-feira], de forma a que a operação logística conseguisse dar a melhor resposta às encomendas pendentes”, continua. Questionada sobre o facto de a loja online também ter estado indisponível na terça-feira, a mesma fonte acrescentou, noutra resposta, que a situação se “verificou nos últimos dias por alguns períodos de tempo”.

(Notícia atualizada às 22h54 com mais informação cedida pela Decathlon)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Decathlon encerra loja online. Quer despachar encomendas “em atraso”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião