Finlandeses investem 30 milhões em moradias junto ao Ombria Resort, em Loulé. Preços começam nos 2,5 milhões

O grupo finlandês Pontos vai construir as Villas Alcedo, 12 moradias de luxo inseridas junto ao Ombria Resort, em Loulé. Os proprietários poderão alugá-las e deixá-las sob gestão do resort.

Os donos do famoso Ombria Resort, em Loulé, decidiram reforçar a aposta na componente residencial. Vindos da Finlândia, o Grupo Pontos vai investir 30 milhões de euros na construção das Villas Alcedo, um conjunto de moradias isoladas de luxo, mesmo ao lado do resort. Os futuros donos poderão destiná-las a habitação própria ou arrendá-las, deixando na mão do Ombria Resort a gestão deste arrendamento.

É num terreno contíguo ao Hotel Viceroy no Ombria Resort, com vista para um extenso campo de golfe, que vão começar a ser construídas 12 moradias com áreas entre os 387 e os 569 metros quadrados, inseridas em lotes individuais que podem chegar aos 3.300 metros quadrados, refere o grupo, em comunicado. Cada uma destas habitações terá entre três a sete quartos, piscina aquecida, elevador, açoteia, garagem para três casos e jardim.

Cada uma das habitações terá entre três a sete quartos, piscina aquecida, elevador, açoteia, garagem para três casos e jardim.D.R.

Estas serão, assim, as futuras Villas Alcedo, “construídas ao gosto de cada cliente e entregues chave na mão”. Por serem vendidas em planta, o futuro dono pode decidir o design interior e os acabamentos. Estas moradias resultam de um investimento de 30 milhões de euros do Grupo Pontos e vão começar a ser construídas este verão. Os preços começam nos 2,55 milhões de euros, sem incluir mobiliário.

A particularidade deste projeto é que os futuros donos poderão usar estas casas para habitação própria ou então arrendá-las. Neste caso, poderão deixar a manutenção e gestão do arrendamento a cargo do Ombria Resort, que o fará através do Viceroy Hotels & Resorts. Os proprietários terão ainda acesso às instalações do Hotel Viceroy e do campo de golfe do Ombria.

“Esta pandemia ofereceu-nos a oportunidade de repensar a maneira como trabalhamos e vivemos”, diz Julio Delgado, CEO do Ombria Resort, citado em comunicado, acrescentando que estas moradias são a “casa perfeita para quem procura segurança e o equilíbrio ideal entre trabalho e vida pessoal”.

Grupo vai investir 260 milhões até 2030

Os 30 milhões de euros que o Grupo Pontos vai investir nestas villas são parte dos 100 milhões que estão a ser investidos até 2022 na primeira fase do Ombria Resort. Esta fase inicial inclui o hotel de cinco estrelas Viceroy at Ombria Resort — com seis restaurantes, piscinas, spa, ginásio e kids club –, 65 Viceroy Residences, um centro de conferências e um campo de golfe. Este último, assim como a unidade hoteleira, abrirão ao público no início de 2022.

Mas a longo prazo os investimentos serão ainda maiores. Até 2030, o Grupo Pontos vai investir um total de 260 milhões de euros ao longo de três fases do Ombria Resort, refere o comunicado. O resort terá 380 propriedades, algumas das quais unidades turísticas e outras residenciais, para além de várias instalações de lazer e entretenimento, como zona de agricultura biológica, apicultura, observatório astronómico, piscinas aquecidas, trilhos para passeios pela natureza ou BTT e um clube de praia numa das praias próximas.

O Ombria Resort tem uma densidade total de 3,5%, o que o torna num dos projetos com mais baixa densidade de construção da Europa. O objetivo do Grupo Pontos é torná-lo pioneiro numa nova geração de resorts, “em que a sustentabilidade, o meio ambiente e o apoio à natureza e património local são prioridades”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finlandeses investem 30 milhões em moradias junto ao Ombria Resort, em Loulé. Preços começam nos 2,5 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião