Portugal consegue juro negativo na dívida de curto prazo. Coloca 1.750 milhões a seis e 12 meses

IGCP emitiu bilhetes do Tesouro com prazo a 20 de novembro de 2020 e 21 de maio de 2021. A quebra nos juros acompanhou o forte apetite por dívida portuguesa demonstrado pelos investidores.

Portugal foi ao mercado de dívida de curto prazo e conseguiu juros negativos para colocar bilhetes do Tesouro (BT) a seis e 12 meses. Num leilão duplo realizado na manhã desta quarta-feira, a A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP emitiu um total de 1.750 milhões de euros com taxas mais baixas que em anteriores leilões.

No caso dos títulos com maturidade mais longa, o Tesouro colocou 1.000 milhões com uma taxa de juro de -0,351%. Esta taxa não só é negativa como fica abaixo dos -0,101% que Portugal conseguiu no último leilão de títulos com esta maturidade, a 18 de março.

Já no que diz respeito aos BT com prazo mais curto, a agência emitiu 750 milhões com um juro de -0,411%. No último leilão comparável, tinha conseguido uma yield menos negativa de -0,089%.

A quebra nos juros acompanhou o forte apetite por dívida portuguesa demonstrado pelos investidores. Por um lado, a reabertura da economia poderá estar a ajudar o sentimento e, por outro, a bazuca do Banco Central Europeu (BCE) a comprar grande parte da dívida mais longa poderá estar a empurrar os investidores para dívida mais curta.

“O países da periferia, e em particular Portugal, têm vindo a beneficiar dos planos de compra de ativos, bem como do alívio das condições dos mesmos por parte do Banco Central Europeu“, explica Filipe Silva, diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa. “Prevê-se ainda, que esta semana haja uma versão final do acordo proposto entre a França e Alemanha, de um pacote de 500 mil milhões de euros para ajudar os países mais afetados, a recuperar da pandemia causada pelo Covid-19”.

Assim, a procura por títulos portugueses cuja maturidade vence a 21 de maio de 2021 foi 3,02 vezes superior à oferta, ou seja, mais do dobro das 1,26 vezes registadas no último leilão comparável. Por BT com prazo em 20 de novembro de 2020, a procura ficou 2,69 vezes acima da oferta, o que compara com 1,13 vezes na última colocação de títulos com esta maturidade.

Esta emissão acontece depois de, no mês passado, Portugal ter voltado a pagar para emitir BT, devido aos receios gerados pela pandemia e após quatro anos a financiar-se a curto prazo com juros negativos. Os últimos dias têm, no entanto, sido de alívio graças ao plano de recuperação europeu proposto pelo eixo franco-alemão.

Os líderes dos dois gigantes europeus, Angela Merkel e Emmanuel Macron, propuseram à União Europeia a emissão de 500 mil milhões em dívida para financiar a recuperação europeia. Após o anúncio, os juros das dívidas dos países do sul da Europa recuaram, sinalizando confiança na rede de segurança. Em Portugal, a yield das obrigações do Tesouro a dez anos negoceia esta quarta-feira em 0,78%.

“Além das ajudas financeiras, Portugal tem sido bem visto internacionalmente pela forma como tem lidado com o vírus, e são estes fatores combinados que têm permitido dar mais confiança aos investidores e como consequência uma redução do prémio de risco de Portugal”, acrescenta Filipe Silva.

(Notícia atualizada às 11h40)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal consegue juro negativo na dívida de curto prazo. Coloca 1.750 milhões a seis e 12 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião