Número de ações cíveis pendentes nos tribunais portugueses cai 42% em cinco anos

  • Lusa
  • 24 Maio 2020

O número de ações cíveis pendentes nos tribunais portugueses caiu 42% em cinco anos, passando de 229.779 no final de 2015 para 133.004 em 2019.

O número de ações cíveis pendentes nos tribunais portugueses caiu 42% num intervalo de cinco anos, passando de 229.779 no final de 2015 para 133.004 em 2019, informou este domingo o Ministério da Justiça.

Em comunicado, o Gabinete da ministra Francisca Van Dunem assinala também que a duração média das ações cíveis nos tribunais de primeira instância em 2019 foi de 12 meses, “a mais curta desde que há tratamento estatístico destes dados em Portugal”, ou seja, deste 2007. Nesse ano de 2007, um tribunal de comarca demorava, em média, 27 meses a decidir um processo cível.

Saudando os “mínimos históricos” alcançados, o ministério alerta, contudo, que a redução da atividade dos tribunais devido à pandemia “poderá influenciar no imediato”, o sentido desta evolução.

“Uma próxima monitorização da pressão que o sistema irá conhecer, na retoma da atividade — com identificação da evolução das entradas e uma gestão adequada e criteriosa dos recursos disponíveis — fará seguramente toda a diferença, aproximando o sistema mais rapidamente dos níveis de resposta alcançados em 2019”, assinala o Ministério da Justiça.

De acordo com a estatística agora divulgada, o sistema judicial português fechou o ano de 2015 com 229.779 ações cíveis à espera de veredicto, pendência essa que baixou para 202.767 em 2016, 171.662 em 2017, 149.559 em 2018 e 133.004 em 2019.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de ações cíveis pendentes nos tribunais portugueses cai 42% em cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião