Wegho quer contratar 120 pessoas até ao final do ano

A plataforma online que presta serviços de limpeza doméstica e facility services quer dar resposta ao aumento da procura, devido à pandemia. Entre maio e junho, deverão ser contratadas 20 pessoas.

A Wegho, plataforma online que presta serviços de limpeza doméstica e facility services, vai reforçar a equipa com 120 novos postos de trabalho até ao fim de 2020. Já entre maio e junho, a spin-off U.Porto e startup incubada na UPTEC pretende contratar 20 novos colaboradores, essencialmente com perfis operacionais. O objetivo é dar resposta à elevada procura devido à pandemia.

Durante o mês de abril, a Wegho registou um acréscimo no volume de trabalho com a higienização, limpeza e desinfeção de várias casas familiares, mas também de escritórios e armazéns, devido à pandemia do novo coronavírus.

Para dar resposta à elevada procura, a startup diversificou a sua operação com o investimento no serviço de desinfeção por nebulização para descontaminação de vírus, bactérias e germes. Em paralelo, criou a sua própria loja online de produtos profissionais de limpeza e de equipamentos de proteção individual.

“A Wegho, assumindo a posição de pioneira digital no setor da limpeza, pretende continuar a investir no serviço de desinfeção e na sua digitalização, com a criação de software próprio e de um sistema de monitorização de espaços que permite que qualquer utilizador confirme quando foi efetuada a última desinfeção. Acreditamos que o nosso serviço, apoiado por este ADN digital e know how, tenderá a crescer, provavelmente em contraciclo económico”, explica Carlos Magalhães, CEO da Wegho, citado em comunicado.

Criada em 2017, a Wegho conta com mais de 5.000 utilizadores registados e com mais de 20.000 agendamentos realizados. Está presente no Porto, em Lisboa, e já presta alguns serviços de desinfeção e facility services em Braga, Cascais, Estoril e Sintra.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Wegho quer contratar 120 pessoas até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião