5 coisas que vão marcar o dia

É dia de desconfinamento na generalidade do país, mas nem tudo vai reabrir no caso da região de Lisboa. Há também dados económicos para conhecer sobre o impacto da pandemia.

O dia fica marcado pelo início da terceira fase de desconfinamento em Portugal, praticamente três meses depois de detetado o primeiro caso de Covid-19 no país. É também um dia de indicadores económicos, com o INE a lançar informação acerca da indústria e o Banco de Portugal a divulgar o nível de endividamento do Estado em abril.

Arranca a terceira fase da reabertura

Começa esta segunda-feira a terceira fase de desconfinamento na generalidade do país. O teletrabalho passa a ser parcial, exceto para pessoas em grupos de risco e para pais com filhos em casa. Abrem também as creches já sem o apoio aos pais e é retomado o ensino pré-escolar. Centros comerciais também vão poder abrir, exceto na região de Lisboa, onde a retoma será mais lenta e foi apontada para a próxima sexta-feira. No resto do país, a restauração poderá agora funcionar sem restrições na lotação, mas com acrílicos a separar as mesas.

INE mede o pulso à produção industrial

O Instituto Nacional de Estatística (INE) publica o índice de produção industrial referente a abril, um mês já totalmente marcado pela paralisação da economia provocada pelo coronavírus. Já em março, o índice registou uma variação homóloga negativa em 7,2%, uma inversão comparativamente com o crescimento de 0,9% registado em fevereiro. Este indicador mede as variações do volume da produção na indústria portuguesa e ganha especial relevância depois das restrições económicas provocadas pelo coronavírus.

Dívida pública volta a aumentar?

O Banco de Portugal (BdP) apresenta as estatísticas da dívida pública relativas a abril de 2020. Em março, um mês marcado pelo decreto do estado de emergência e pela entrada em vigor de medidas como o lay-off simplificado, a dívida de Portugal situou-se em 254,8 mil milhões de euros, uma redução de 600 milhões face a fevereiro.

Dinheiro já está a chegar às empresas. CIP atualiza dados

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) apresenta às 16h00 os resultados do último inquérito às empresas. O organismo liderado por António Saraiva tem vindo a promover inquéritos junto das associadas para saber como têm corrido as operações em tempo de pandemia, bem como a velocidade a que os apoios promovidos pelo Governo estão a chegar às empresas. Será interessante perceber o ritmo de reabertura dos negócios, bem como quantas empresas receberam os apoios para lay-off ou o dinheiro das linhas de crédito.

Nova SBE acolhe conferência sobre exportações

A Nova SBE promove uma conferência online, através da plataforma Zoom, que é dedicada ao tema das empresas e, concretamente, à internacionalização e às exportações, isto num contexto de pandemia que praticamente paralisou os países a nível mundial. A conferência é aberta e começa às 15h00. Será moderada por Daniel Traça e conta com a presença de António Redondo (da Navigator), Carlos Moreira da Silva, Luís de Castro Henriques (AICEP) e Paulo Portas. O registo pode ser feito aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião