Costa Silva e Lacerda Machado. Onde estão as diferenças?

O ECO falou com dois especialistas em Administração Pública para perceber o que diferencia a "contratação" de António Costa Silva e de Diogo Lacerda Machado como conselheiros de António Costa.

Como pode António Costa Silva ser consultor do Governo e trabalhar pro bono, quando Lacerda Machado teve de celebrar um contrato com o Governo? A pergunta surge depois de se saber que o primeiro-ministro vai nomear o presidente executivo da Partex como conselheiro especial através de um despacho formal, mas que não vai ser remunerado por ajudar a preparar um programa de recuperação económica no pós-pandemia.

Diogo Lacerda Machado teve de abandonar as funções que exercia na Geocapital, a empresa de Stanley Ho, depois de a Assembleia da República ter questionado o facto de estar a negociar pelo Estado, há vários meses, dossiers sensíveis como a TAP, os lesados do BES ou o diferendo acionista no BPI.

Foi o próprio primeiro-ministro que revelou, em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, que o seu “melhor amigo” e antigo secretário de Estado da Justiça o estava a apoiar, por falta de recursos no Estado. Os partidos exigiram transparência e acabou por ser publicado, no portal da contratação pública, um contrato no qual o consultor passava a receber uma avença de dois mil euros/mês para emitir pareceres jurídicos, assessorar o Estado em processos negociais, produzir acordos, relatórios e memorandos. Tudo com o dever de sigilo por cinco anos. Mais tarde, Lacerda Machado seria nomeado administrador da TAP, uma passagem que, nas palavras de Passos Coelho, foi uma “pouca-vergonha”, já que foi “o mesmo homem que andou a negociar a reversão” da privatização da companhia aérea.

Ora, as funções que António Costa Silva vai desempenhar, tal como o Expresso avançou em primeira mão, também são temporárias. Uma “espécie de chefe de missão” segundo Marques Mendes que, no seu comentário semanal, revelou que, “nos próximos dias, o primeiro-ministro vai proceder por despacho à nomeação formal de Costa Silva como seu conselheiro especial”. O responsável está a trabalhar diretamente com os ministros, mas não com os partidos da oposição que se recusam a negociar com um “paraministro”.

Ora é nos detalhes do despacho de nomeação que está a chave para responder à questão inicial. Costa Silva pode trabalhar pro bono porque “não faz parte dos quadros da Administração Pública, nem faz parte dos assessores de gabinetes”, alvitra ao ECO, Luís Fábrica especialista em matérias de Administração Pública, sublinhando contudo que não conhece o despacho.

“Além disso, não tem necessariamente de estar inserido numa qualquer grelha salarial, ter qualquer tipo de remuneração ao algo análogo, porque as funções que vai desempenhar não são permanentes no âmbito da Administração Pública”, diz o professor da Faculdade de Direito da Universidade Católica. O próprio António Costa Silva já revelou, em entrevista à RTP, que foi convidado para desenhar o plano de retoma pelo primeiro-ministro no dia 24 de abril e que no dia 25 de abril ponderou e apresentou a António Costa um draft com o desenho do, nas palavras do próprio, “plano para o day after”. Esta será uma base de trabalho e que, ao longo dos próximos meses, pretende falar com vários membros da economia, disse ao ECO.

Ele não é nomeado para nenhum cargo pré-existente cujos estatutos estejam ligados a uma remuneração. É uma nomeação ad hoc, para um cargo que não existia em circunstâncias que são elas próprias específicas”, sublinha Luís Fábrica. “Do ponto de vista estritamente jurídico, o facto de ele não ter remuneração não é o problema fundamental, porque só o seria se estivesse a ocupar um lugar no quadro da Administração Pública ou dos gabinetes”, acrescenta. E é essa a grande diferença face a Lacerda Machado já que o seu contrato como prestador de serviços foi assinado, em abril de 2016, por Rita Moreira Araújo, chefe do gabinete de António Costa.

Mas Luís Fábrica sublinha que a matéria está a ser tratada “de um modo de tal forma informal que é extremamente difícil” pronunciar-se sobre o contexto normativo que rege a nomeação. “É preciso ver um despacho e outro”, diz. Admitindo, contudo, a possibilidade que se possa discutir se existe uma base legal anterior adequada ou suficiente”.

Também João Bilhim defende que “há que ler o despacho”. No entanto, o antigo presidente da Cresap sublinha a relevância de quem assina o despacho de nomeação: se o primeiro-ministro enquanto tal, se enquanto presidente do Conselho de Ministros. “Há que ver a dignidade ou a força desse despacho”, sublinhou ao ECO, recordando que, por exemplo, em termos de autorização de despesa, um ministro tem um nível inferior ao primeiro-ministro e este inferior ao Conselho de Ministros. “É uma questão de hierarquia”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa Silva e Lacerda Machado. Onde estão as diferenças?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião