Finanças não se comprometem com pagamento “integral” dos reembolsos de IRS em junho

Siza Vieira foi ao Parlamento dizer que os reembolsos de IRS deverão ser integralmente pagos durante este mês de junho, mas o Ministério das Finanças não reafirma esse prazo.

Depois das críticas da Provedoria de Justiça à “morosidade” na transferência dos reembolsos do IRS para os contribuintes, o ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, foi ao Parlamento adiantar que a devolução desse imposto deverá ser feita, na íntegra, ainda em junho. Questionado pelo ECO, o Ministério das Finanças não se compromete com esse prazo.

O fiscalista Luís Leon lembra que, como o prazo para a entrega das declarações Modelo 3 só termina no final deste mês, a máquina da Autoridade Tributária não deverá conseguir, tecnicamente, dar a resposta num tão curto espaço de tempo de modo a que se cumpra a expectativa do “número dois” do Governo.

A campanha de IRS deste ano arrancou a 1 de abril, prolongando-se até 30 de junho. De acordo com os dados mais recentes, até ao momento, já chegaram à Autoridade Tributária cerca de 4,2 milhões de declarações Modelo 3. Destas, 2.551.293 já foram liquidadas, tendo a maioria (cerca de 1,5 milhões) dado lugar a reembolsos. E até agora, o Fisco já processou 1,2 milhões dessas declarações às quais corresponde a devolução de imposto, no valor de mil milhões de euros.

Este ano, face à incerteza trazida pela pandemia de coronavírus, o Executivo de António Costa não se comprometeu com os reembolsos rápidos, que tinham sido assegurados nos últimos anos. Aliás, em 2019, os primeiros cheques seguiram para os contribuintes menos de dez dias após o arranque da campanha, mas este ano os primeiros reembolsos só seguiram para as famílias cerca de 21 dias após o início do período de entrega das declarações.

Ainda assim, numa nota divulgada no fim de maio pelo gabinete de Mário Centeno, o Governo assegurou que, neste momento, já se estava a verificar um ritmo de execução similar ao dos anos anteriores.

Apesar desta garantia, esta segunda-feira, a Provedoria de Justiça dirigiu-se ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais pedindo-lhe celeridade nos reembolsos de IRS e mostrando preocupação quanto aos casos dos contribuintes que, “não tendo dívidas fiscais”, têm denunciado “morosidade” nesse processo. “O esforço de antecipação do pagamento dos reembolsos aos agregados familiares que a eles têm direito – em especial no decurso do mês de junho – traduzirá uma valiosa modalidade de apoio às famílias, em linha com o que tem sido a preocupação do Governo na sequência desta pandemia“, defendeu a Provedoria de Justiça.

Aliás, de acordo com dados divulgados recentemente, apesar da flexibilização do pagamento dos impostos disponibilizada pelo Governo face à pandemia de coronavírus, até abril, a receita fiscal acabou por crescer 3,8%, em comparação com o período homólogo, o que é explicado “pelo aumento da receita líquida do IRS (17,8%) associado à diminuição de reembolsos”, explicou o Ministério das Finanças.

Questionado sobre esta matéria pelos deputados da Comissão Economia, Pedro Siza Vieira adiantou, esta terça-feira, que a devolução do IRS deverá acontecer, na íntegra, este mês. Quanto aos “reembolsos de IRS, aquilo que tenho indicação é que durante este mês de junho serão integralmente pagos“, disse o ministro da Economia, que não se quis comprometer com uma data específica.

O ECO questionou o Ministério das Finanças sobre esta expectativa deixada pelo “número dois” do Executivo, perguntando especificamente como será possível cumprir essa promessa, tendo em conta que o prazo para entregar a declaração só termina no dia 30. O gabinete de Mário Centeno não se comprometeu com o prazo em causa, remetendo para as declarações dadas pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais ao Correio da Manhã, no sábado. “Nas próximas duas semanas, será pago o grosso dos reembolsos“, adiantou António Mendonça Mendes ao jornal em causa.

No mesmo sentido, o fiscalista Luís Leon, da Deloitte, sugere que o ministro da Economia se devia estar a referir aos reembolsos das declarações já submetidas, em jeito de resposta às críticas recentes. De resto, tendo em conta que os contribuintes podem entregar, na prática, declarações no próprio dia 30 de junho, os reembolsos não poderiam estar tratados, na sua totalidade, nessa mesma data. “Mesmo num ano normal, a Autoridade Tributária leva duas a três semanas a processar” a devolução do imposto, salienta o especialista. “Tecnicamente, a máquina não consegue” fazer a devolução no prazo indicado pelo ministro da Economia, acrescenta.

Os reembolsos do IRS costumam ser pagos até dia 31 de julho, mas por lei a Autoridade Tributária pode fazê-lo até ao final de agosto, explica Luís Leon. De acordo com a legislação em vigor, o único prazo fixado é 31 de agosto como limite para os contribuintes pagarem ao Estado o IRS em falta. Em função desse prazo, convencionou-se que as notas de cobrança são enviadas até ao final de julho, data que costuma ser indicada também como limite para o Fisco processar os reembolsos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças não se comprometem com pagamento “integral” dos reembolsos de IRS em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião