Dados do desemprego e tecnológicas penalizam Wall Street

As bolsas norte-americanas acompanharam a tendência de quedas que se observou na Europa. Dados do desemprego e as ações das empresas tecnológicas pressionaram as bolsas do outro lado do Atlântico.

As praças norte-americanas voltaram às perdas, após quatro sessões consecutivas com ganhos. Wall Street acompanhou a tendência de quedas que se observou na Europa, mesmo depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter anunciado um reforço do carregamento da “bazuca”. Além disso, os dados do desemprego, bem com, as ações das empresas tecnológicas pressionaram as bolsas do outro lado do Atlântico.

O índice de referência S&P 500 desvalorizou 0,41% para 3.110,22 pontos, enquanto o industrial Dow Jones valorizou 0,05% para 26.281,82 pontos. Ao mesmo tempo, o tecnológico Nasdaq caiu 0,77% para 9.608,10 pontos.

Apesar de os índices norte-americanos estarem em queda, as perdas são substancialmente menores do que as registadas nos meses anteriores. “Desde o pico do índice S&P 500 em 19 de fevereiro até o mercado em baixa em 23 de março, as ações perderam 33,9%”, detalhou Ryan Detrick, analista de mercado na LPL Financial, em declarações à Reuters. “Agora, 50 dias depois, as ações subiram 39,6%, para o maior rali de 50 dias desde que o S&P 500 mudou para 500 ações em 1957.”

Os investidores estão a “digerir” os dados revelados esta quinta-feira pelo Departamento do Trabalho sobre número de norte-americanos que pediram apoio no desemprego, que caiu na última semana pela primeira vez desde meados de março. Os novos pedidos de subsídio de desemprego totalizaram os 1,87 milhões de euros na semana que terminou a 30 de maio, abaixo dos 2,1 milhões da semana anterior. Os economistas sondados pela Reuters apontava para pedidos na ordem dos 1,8 milhões.

Além disso, os títulos das principais empresas de tecnologia pressionaram o mercado norte-americano. As ações do Facebook e Netflix caíram mais de 1,6%, ao passo que a Amazon fechou recuou 0,7%. Já a Alphabet, dona da Google, e a Apple caíram mais de 0,8%.

No cenário europeu, apesar deste alívio dado pelo reforço da injeção do BCE em mais 600 mil milhões de euros de compras que vão concretizar-se até ao ao final de junho do próximo ano, totalizando 1,35 biliões de euros., os investidores continuam preocupados com a dimensão incerta do impacto económico do coronavírus na economia europeia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dados do desemprego e tecnológicas penalizam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião