Covid-19. Ambientalistas temem retrocessos na luta pelo clima

  • Lusa
  • 4 Junho 2020

Organizações de defesa do ambiente temem que o Covid-19 ponha em causa metas sobre clima, biodiversidade e alterações climáticas.

Organizações de defesa do ambiente temem que a crise provocada pela pandemia de Covid-19, e consequente recuperação económica, ponham em causa metas sobre clima, biodiversidade e alterações climáticas.

A propósito do Dia Mundial do Ambiente, que se comemora na sexta-feira, a Lusa perguntou a várias associações de defesa do ambiente se a recuperação económica depois da crise da pandemia Covid-19 poderia pôr em causa as metas sobre ambiente e alterações climáticas. Todas o admitiram.

Além das consequências “dramáticas” sobre pessoas e economia, lembra a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) que esta semana devia estar a acontecer em Lisboa a Conferência dos Oceanos, na qual seriam debatidas e acordadas metas para proteger os ecossistemas marinhos.

A conferência foi adiada devido ao Covid-19, mas não se pode “adiar a proteção da biodiversidade e a saúde dos oceanos”, diz a SPEA à Lusa, acrescentando que a crise também afetou os produtores de agricultura diversificada e de pequena escala, ou o setor agroflorestal.

Se da Comissão Europeia surgem metas ambiciosas sobre consumo sustentável ou defesa da biodiversidade, o Governo português não tem tomado as melhores decisões, segundo a SPEA, que fala de um novo aeroporto no Montijo, da autorização de corte de matos durante a primavera, ou da flexibilização dos compromissos ambientais da Política Agrícola Comum (PAC).

Também a ANP/WWF, Associação Natureza Portugal, que trabalha em parceria com a internacional World Wide Fund For Nature (WWF), pela voz de Catarina Grilo, diretora de Conservação e Políticas, deixa algumas críticas e receios. Um deles que não se aproveite o momento para reorientar a economia para uma recuperação justa e sustentável.

Nos resíduos e reciclagem, afirma Catarina Grilo, o Covid-19 trouxe “retrocesso na recolha seletiva e tratamento de resíduos”, a par do crescimento na utilização de descartáveis. E “não há razões sanitárias para este retrocesso”, afiança.

Na luta conta as alterações climáticas as metas nacionais também estão “aquém do que é exigido no Acordo de Paris”.

Catarina Grilo explica que Portugal propõe-se reduzir emissões de gases com efeito de estufa entre 45% e 55% até 2030, face aos níveis de 2005. Mas o Acordo de Paris impõe que a comparação seja aos níveis de 1990.

“Portugal usa 2005 como ano de referência porque corresponde ao pico mais elevado de emissões. Os 45-55% face a 2005 correspondem a uma redução de apenas 20-35% face a 1990”, diz Catarina Grilo, concluindo que “a recuperação económica poderá apenas agravar o mau desempenho climático” de Portugal.

Ana Paz, da direção nacional da Liga para a Proteção da Natureza (LPN), é mais otimista. Fala dos benefícios para o clima do período de confinamento e paragem da economia, acrescentando que era agora interessante “tirar lições sobre estes efeitos, em vez de apenas tentar reverter a redução de emissões o mais rapidamente possível”.

Admitindo que houve nos últimos meses reversões ambientais, como alterações na recolha seletiva de resíduos e aumento de descartáveis, a responsável diz acreditar que tudo se recomporá, e acrescenta que a nível da União Europeia há bons sinais em matéria de ambiente. Mas avisa que é preciso atenção a desfasamentos entre as declarações de intenções e a prática.

Paula Nunes da Silva, presidente em exercício da Quercus, fala também no aumento de resíduos e abrandamento da reciclagem, e é perentória na afirmação de que há o risco de “as metas ambientais serem colocadas em segundo plano, em nome da recuperação económica”. Mas tem esperança que essa recuperação sirva “para alavancar, de vez, a economia verde e circular”.

Diz a associação Zero, sobre a mesma matéria, que há “enormes benefícios sociais, económicos e ambientais” caso se respeitem as metas traçadas antes da pandemia.

E dá um exemplo, resultado de uma “breve auscultação” a empresas do setor da reciclagem. “Conseguimos perceber que o cumprimento de metas europeias de reciclagem em algumas áreas seria suficiente para criar, numa visão conservadora, pelo menos cinco mil novos postos de trabalho”.

Nas declarações de quase todas as associações ouvidas pela Lusa fica também a ideia de que epidemias como a de covid-19 se combatem, e se evitam, com uma natureza rica em biodiversidade e ecossistemas funcionais. Porque o novo coronavirus se desenvolveu devido à crescente pressão humana sobre os habitats naturais, como têm chamado à atenção.

Em abril passado a Zero já tinha apresentado um longo documento, com o título “O nosso novo Futuro Comum”, sobre os principais desafios e oportunidades face à pandemia e sugestões para uma recuperação sustentável.

Na mesma altura foi também lançado o documento “Propostas para uma Recuperação Económica Justa e Sustentável em Portugal”, com sugestões de projetos e setores de atividade para onde deve ser canalizado o investimento público, para uma recuperação justa e sustentável. O documento partiu da C6, uma coligação de organizações ligadas ao ambiente (ANP/WWF, FAPAS, GEOTA, LPN, Quercus e SPEA).

O Dia Mundial do Ambiente foi criado pela ONU e comemora-se desde 1974, para sensibilizar e consciencializar a população mundial para a importância e preservação do meio ambiente. Este ano as comemorações internacionais decorrem na Colômbia.

Para assinalar a data o Projeto Lista Vermelha de Invertebrados lança nesse dia a campanha “Invertebrados da Lista Vermelha Procuram-se”, no âmbito da qual apela aos cidadãos que ajudem a conhecer melhor a distribuição de 16 espécies emblemáticas de invertebrados, contribuindo para o processo de avaliação do risco de extinção dessas espécies. Da lista fazem parte insetos, aranhas, lesmas, mexilhões de rio, crustáceos e sanguessugas.

Também a propósito da efeméride a Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, lembra que reciclar é essencial na preservação do ambiente.

E diz que apesar de resultados animadores dos últimos anos há ainda “um grande trabalho de consciencialização e de responsabilização” na recolha seletiva de resíduos, ao mesmo tempo que salienta que a recolha de embalagens aumento este ano, face ao período homólogo do ano passado, em 14%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19. Ambientalistas temem retrocessos na luta pelo clima

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião