Luís Simões reduz emissões de CO2 em mais de 1.000 toneladas em 2019

Durante o último ano, a empresa implementou 14 iniciativas sustentáveis, que incluem medidas nas áreas de transporte e de operações logísticas

Em 2019, o operador logístico Luís Simões conseguiu reduzir em 1.313 toneladas as suas emissões de CO2. Durante o ano passado, a empresa incorporou 14 novas iniciativas sustentáveis para reduzir a sua pegada ecológica. Até 2030, a empresa quer chegar a uma diminuição anual na ordem de 1,3% das emissões da sua atividade de transporte rodoviário.

No que diz respeito à logística, uma das medidas implementadas passou pela instalação de painéis de energia solar para o autoconsumo energético, de sistemas de iluminação LED e de mecanismos centralizados de controlo de temperatura para a climatização de algumas infraestruturas. Já no Centro de Operações Logísticas de Guadalajara foi instalada uma câmara de refrigeração com menor volume de emissões de gases de efeito de estufa.

Na área do transporte, a Luís Simões implementou o uso de camiões frigoríficos com gases refrigerantes com menos emissões de gases de efeito de estufa e também sistemas de ecoDriving nos serviços de transporte.

“O nosso objetivo é convertermo-nos no operador logístico de referência em termos de sustentabilidade, e estamos cada vez mais próximos de o conseguir. Acreditamos num modelo logístico moderno, eficiente e que respeite o meio ambiente”, declarou Claúdia Simões, Coordenadora para a área de Desenvolvimento Sustentável da Luís Simões, em comunicado.

A Luís Simões gere uma frota de 2.100 viaturas (próprias e subcontratadas) e presta serviços integrados de logística em toda a Península Ibérica, em mais de 25 armazéns que superam os 400.000m² de capacidade instalada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luís Simões reduz emissões de CO2 em mais de 1.000 toneladas em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião