Franceses criam revestimento inovador para superfícies. Reduz carga viral do coronavírus em 95%

Grupo francês desenvolveu um revestimento antivírico inovador que pode ser aplicado em superfícies e estruturas, equipamentos médicos e de proteção individual.

O grupo francês, Serge Ferrari, desenvolveu um revestimento antivírico inovador de forma a evitar a propagação do coronavírus que já infetou mais de oito milhões de pessoas em todo o mundo.

A membrana antivírica adesiva pode ser aplicada em equipamentos médicos, de proteção individual, superfícies e estruturas comuns, como cadeiras, mesas, balcões, maçanetas, carrinhos e cestos de compras, caixotes do lixo, elevadores, cortinas, divisórias e batas de cabeleireiro, diminuindo assim os riscos de contágio.

“O novo revestimento anti-coronavírus é resultante de uma tecnologia baseada em partículas de prata com propriedades antivíricas, tendo demonstrado alto nível de eficácia a impedir que as superfícies se tornem fontes de propagação de vírus e bactérias“, explica o grupo em comunicado.

Segundo o grupo francês, o novo revestimento contribui para tornar “as superfícies mais seguras em espaços abertos ao público e com alto tráfego, como instalações de saúde, escolas, creches, escritórios, transportes públicos e espaços de restauração e lazer”.

As propriedades antivíricas do produto foram validadas pelo VirHealth, laboratório independente especializado em testes viricidas e bactericidas, que testou a sua eficácia. Os resultados demonstraram uma redução de 95% no número de vírus nas superfícies após 15 minutos de contacto e de 99,5% após 60 minutos.

A empresa responsável pela comercialização deste revestimento antivírico em Portugal é a APG Coberturas, que tem disponível vários formatos e dimensões para todo o tipo de superfícies a proteger.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Franceses criam revestimento inovador para superfícies. Reduz carga viral do coronavírus em 95%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião