Mercado digital de publicidade prestes a “eclipsar” media tradicionais

O marketing digital deverá ficar com mais de metade dos 530 mil milhões de dólares de investimento global em publicidade estimado para 2020, antecipa o GroupM.

Pela primeira vez na história, o investimento em publicidade nas plataformas digitais (como a Google, o Facebook e a Alibaba) deverá ultrapassar o investimento em publicidade nos media tradicionais. Esta tendência não é nova, mas foi acelerada pela pandemia de coronavírus.

De acordo com as previsões do GroupM, citadas pelo Financial Times (acesso pago), o marketing digital deverá ficar com mais de metade dos 530 mil milhões de dólares (cerca de 472 mil milhões de euros) de investimento global em publicidade estimado para 2020.

Tudo somado, a queda de 11,8% do investimento em publicidade, que se antecipa face ao surto mundial de Covid-19, deverá afetar de modo mais significativo as plataformas tradicionais. É que apesar de se estimar que os gastos com publicidade digital deverão cair 2,4% este ano, nos media tradicionais a queda deverá ser ainda mais expressiva, estimando-se que caia 20,7% em meios como a televisão, jornais ou outdoors.

Além disso, o investimento de pequenas empresas é cada vez mais importante para o mercado publicitário e é “responsável por elevar a publicidade digital acima do limite de 50% [dos gastos]”, aponta ao FT Brian Wieser, do GroupM.

Certo é que face à pandemia estas empresas estão a tentar reduzir os custos, apostando no marketing digital mais barato. E mesmo que a audiência de televisão tenham aumentado bastante em abril e maio, a publicidade neste meio deverá cair 17,6% em 2020 e aumentar 6% no próximo ano, revela o GroupM, enquanto que os jornais vão sofrer quedas anuais de 26% e 2,5%.

Assim, apesar de haver sinais de estabilização, um relatório da Federação Mundial de Publicidade sugere que a recuperação pode demorar ainda algum tempo. Quase 40% das multinacionais admitiram adiar as campanhas publicitárias em cerca de seis meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercado digital de publicidade prestes a “eclipsar” media tradicionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião