Taxa de poupança sobe no arranque do ano. Toca máximo de 2014

Desde 2014 que os portugueses não poupavam tanto num só trimestre. A queda do consumo, em sequência da pandemia, levou ao aumento da taxa de poupança.

A taxa de poupança dos portugueses aumentou no primeiro trimestre para os 7,4%, subindo seis décimas face ao valor registado no quarto trimestre de 2019 (6,8%), de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pelo INE. Esta é a taxa de poupança mais elevada desde o terceiro trimestre de 2014 (7,7%).

O aumento da taxa de poupança no início do ano deve-se ao aumento de 0,9% das remunerações — ainda ausente o efeito dos despedimentos e do corte das remunerações por causa do lay-off — e à “ligeira redução do consumo final”, explica o gabinete de estatística.

Esta é a análise com base no ano terminado no primeiro trimestre. Normalmente, esta é a ótica usada por causa dos efeitos sazonais neste indicador, principalmente por causa do subsídio de férias (2º ou 3º trimestre) e de Natal (4º trimestre) — se não estiver em duodécimos –, o que leva a taxa de poupança no primeiro trimestre a ser a mais baixa do ano. “Apesar deste forte efeito sazonal, no contexto da pandemia Covid-19 importa ainda assim avaliar o comportamento da taxa de poupança“, refere o INE.

Fonte: Instituto Nacional de Estatística (INE).

É possível isolar apenas os dados de janeiro a março para ter uma melhor fotografia do que aconteceu. Nessa ótica, a taxa de poupança das famílias aumentou 2,9 pontos percentuais num só trimestre, na comparação homóloga, o que reflete “sobretudo a redução do consumo privado” que pode ser explicada com o confinamento decretado para todo o país.

“O rendimento disponível manteve-se em crescimento, observando-se um aumento das remunerações, que ainda não refletem no 1º trimestre os impactos negativos da pandemia Covid-19, e das prestações sociais recebidas“, explica ainda o INE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa de poupança sobe no arranque do ano. Toca máximo de 2014

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião