Portugal pode transformar-se na “fábrica da Europa” da Saúde

Enfrentando Portugal um problema de envelhecimento, pelo que é preciso reforçar os meios na saúde. Costa Silva defende aposta no SNS, mas também quer Portugal a dar cartas na exportação neste setor.

O novo coronavírus obrigou, recentemente, a um reforço urgente do investimento na saúde, mas mesmo sem uma pandemia, será necessário dotar este setor de ainda mais dinheiro num futuro próximo. Tendo em conta o envelhecimento da população portuguesa, a saúde terá de assumir-se como um dos eixos estratégicos no Plano de Recuperação desenhado por António Costa Silva para o Governo, a que o ECO teve acesso. O gestor defende que será necessário alocar mais dinheiro ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), isto ao mesmo tempo que o país investe na investigação e desenvolvimento para que este setor possa ganhar peso nas exportações.

“O setor da saúde tem um enorme desafio pela frente”, diz Costa Silva no documento de 119 páginas que apresentou aos membros do Executivo na reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira. “Estará na primeira linha a lidar com o envelhecimento da população” portuguesa — Portugal é o quinto país mais envelhecido do mundo. “O aumento da esperança de vida, a diminuição da natalidade e o envelhecimento estão a anular os padrões de mobilidade e mortalidade da população e a gerar um número maior de doenças crónicas”, a que será necessário dar resposta.

Perante este diagnóstico, a “visão para o futuro da saúde passa por uma abordagem multidimensional, com uma aposta no SNS, nos recursos humanos, nos hospitais e equipamentos, nos centros de saúde e na preparação do SNS para novas situações de emergência”.

No que se refere à aposta no SNS, Costa Silva defende que “é importante reforçar o investimento no SNS, não só em equipamentos, mas também ao nível dos recursos humanos“. Ao nível dos equipamentos, a “conclusão da rede do SNS com o novo Hospital de Lisboa Oriental, o novo Hospital do Seixal, o novo Hospital de Évora, o novo Hospital do Algarve, a requalificação do parque e da tecnologia hospitalar e a ampliação da Rede Nacional de Cuidados Continuados para a dimensão já prevista, é essencial para o futuro”.

Defende ainda que é “vital dotar os Centros de Saúde de meios de diagnóstico em termos de radiologia e de colheita de análises”, salientando que estes centros devem ajudar na prevenção das doenças, nomeadamente as mais “frequentes nas sociedades modernas, como a diabetes, a hipertensão, doenças respiratórias, cardiovasculares e cancro devem ser prevenidas através da mudança de comportamentos relacionada com a alimentação e estilo de vida”.

Mais produção, mais investigação e tecnologia…

Além de defender uma maior aposta na saúde dos portugueses, com o Estado a assumir o dever de criar as condições para dar resposta ao crescente número de necessidades da população, Costa Silva defende que se invista na “investigação e desenvolvimento, apoiar as empresas da área da saúde, em particular as das biotecnologias”.

O gestor pede “um plano de investimento direcionado para os centros de investigação e para as empresas que trabalham na área das ciências de saúde para potenciar as ideias e ganhos que resultaram da resposta à crise, nomeadamente em termos da fabricação de equipamentos essenciais em território nacional e do uso da impressão 3D para dotar o cluster de saúde nacional de vantagens competitivas para poder afirmar-se no mercado internacional“.

E aproveitando os efeitos da pandemia no que concerne à produção de equipamentos, Costa Silva diz que seria importante “o país explorar a capacidade de utilizar as valências que existem na metalomecânica ligeira e na indústria de moldes para, com base na impressão 3D e nas tecnologias digitais, criar produtos inovadores para os profissionais de saúde, da proteção marinha e da proteção civil”. “O país continua a importar muitos equipamentos ligados ao safety e o alinhamento entre as empresas e o mercado pode desenvolver uma fileira de produtos complexos com alto valor acrescentado, incorporando a realidade aumentada, a inteligência artificial e o tratamento de dados”, permitindo que a saúde tenha mais peso nas exportações do país.

… numa “fábrica da Europa”

Ao mesmo tempo que defende a aposta na investigação na área das Ciências de Saúde, de forma a produzir conhecimento sobre saúde, Costa Silva insiste na necessidade de o país produzir cada vez mais, algo que só será possível se se “estimular as empresas inovadoras, capazes de criar e produzir soluções em termos de produtos e serviços”. “O país tem condições para criar um tecido económico robusto na área das ciências da saúde, com a ampliação do cluster das biotecnologias“, acredita o gestor, pedindo menos burocracia nos processos.

Derrubadas algumas “barreiras à inovação”, alterações ao enquadramento regulamentar da indústria farmacêutica, bem como com algum investimento, com recurso à “adequação dos instrumentos de financiamento das agências nacionais e da UE à realidade das ciências da saúde”, será possível “transformar o país num Hub Internacional em Ciências da Saúde, produzir medicamentos inovadores e dispositivos médicos inovadores, aumentar o número de patentes, reforçando o investimento em investigadores e na formação de novos quadros, atraindo para o país consórcios internacionais para o desenvolvimento clínico de novas soluções”, defende. Acredita, por isso, que Portugal pode transformar-se na “fábrica da Europa”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal pode transformar-se na “fábrica da Europa” da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião