ERSE regista mais de 5.400 reclamações no segundo trimestre, metade tiveram como alvo a EDP

Depois da EDP Comercial, a Endesa é a comercializadora com mais reclamações: passou de 599 entre abril e junho do ano passado para 868 nos últimos três meses.

Em apenas três meses, entre abril e junho de 2020, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) recebeu 5.437 reclamações, das quais cerca de metade foram dirigidas à EDP Comercial (2.491 reclamações). No segundo trimestre de 2019, a empresa tinha registado apenas 1.822 reclamações, menos 669 do que este ano. Depois da EDP Comercial, a Endesa é a comercializadora com mais reclamações: passou de 599 entre abril e junho do ano passado para 868 nos últimos três meses.

Já a EDP Distribuição desceu de 1.060 reclamações em 2019 (segundo trimestre) para 842 no período homólogo. Sublinha a ERSE que “o número de reclamações associadas a cada empresa deve, desde logo, atender ao respetivo universo de clientes”, isto porque a EDP Comercial detém ainda a grande maioria dos clientes em mercado livre.

De acordo com o regulador, no total do segundo trimestre de 2020 houve um “ligeiro aumento relativamente ao número de reclamações registadas no período homólogo”, com mais cerca de 300 reclamações feitas pelos consumidores, em relação ao ano passado. Já por comparação ao 1º trimestre de 2020 registou-se uma descida. Das 5.437 reclamações, 548 foram reaberturas de processos, diz o regulador.

Por setores, o elétrico “continua a ser o mais reclamado, com valores ligeiramente superiores ao trimestre homólogo de 2019. O fornecimento “dual” [gás e eletricidade] acompanha também esta tendência de subida. Apenas os setores do “Gás Natural” e do “GPL” canalizado apresentam uma descida no número de reclamações”.

Quanto a temas, a faturação e o contrato de fornecimento, assim como as questões relativas à qualidade de serviço comercial (por exemplo: atendimento, resposta a reclamações, visitas combinadas) mantêm-se como os temas mais reclamados pelos consumidores de eletricidade e do fornecimento dual (eletricidade e gás natural). Também no setor do gás natural mantém-se a maior incidência nos temas da faturação, seguindo-se os da contratação.

De acordo com a ERSE, durante o 2º trimestre de 2020 foram concluídos 5.219 processos, 2.638 dos quais tiveram origem nos livros de reclamações (físico e eletrónico).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ERSE regista mais de 5.400 reclamações no segundo trimestre, metade tiveram como alvo a EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião