Estudo estima custos de 544 milhões de euros com a pandemia na Madeira

  • Lusa
  • 22 Julho 2020

“As conclusões do estudo do impacto da covid-19 na região apresentam uma estimativa global dos custos para 2020 e 2021 que ascendem a 544 milhões de euros”, disse o vice-presidente do executivo.

Os custos globais com a pandemia da covid-19 na Madeira em 2020 e 2021 vão ascender a 544 milhões de euros, segundo um estudo encomendado pelo Governo Regional referido esta quarta-feira pelo vice-presidente do executivo.

“As principais conclusões do estudo do impacto da covid-19 na região apresentam uma estimativa global dos custos globais para 2020 e 2021 que ascendem a 544 milhões de euros”, declarou Pedro Calado no plenário da Assembleia Legislativa da Madeira, no início do debate da proposta do Orçamento Suplementar da região.

A proposta de Orçamento Suplementar apresentada pelo executivo de coligação PSD/CDS-PP adiciona 287,7 milhões de euros ao valor aprovado para 2020, passando de 1.743 milhões de euros para 2.030 milhões.

O governante madeirense apontou que “a solução imposta pelo Estado para ajudar a região, apenas através do endividamento, é claramente insuficiente para fazer face às despesas previstas com o impacto nos próximos anos” desta crise pandémica.

Pedro Calado realçou que o Orçamento Suplementar é “diferente dos exercícios retificativos anteriores” – trata-se de “um documento estratégico” para financiar as medidas de apoio às famílias e ao tecido empresarial, concretizando a aposta em políticas de crescimento. A proposta, que será votada na quinta-feira, “não aumenta impostos” nem “põe em causa a estabilidade orçamental e financeira” do arquipélago, além de “reforçar o investimento na saúde, educação, área social, emprego e economia”, sublinhou.

O Orçamento Regional para 2020, aprovado em janeiro, estava “desajustado à atual realidade”, pelo que foi necessária “uma reorganização interna de despesas e receitas, por força das medidas implementadas de combate à pandemia, do endividamento líquido permitido à região”. “Queremos aproveitar a oportunidade que esta crise económica proporciona para nos erguermos como uma região com atratividade diferenciada”, afirmou, defendendo “mais competitividade fiscal, maior rendimento disponível e melhor economia” para a Madeira.

O governante explicou que a receita acrescida (287 milhões de euros) serve para “fazer face ao conjunto de medidas já implementadas de mitigação dos efeitos da pandemia e as que terão ainda de ser concretizadas na garantia de recuperação”.

O estudo indica que, “num cenário mais gravoso, a queda do Produto Interno Bruto (PIB) pode ser ainda maior e atingir 20%” e que a taxa do desemprego pode crescer entre 13% (2020) e 17% em 2021. “O Governo Regional vai apostar em instrumentos de competitividade fiscal e numa política que diligencie soluções estáveis e que incremente o investimento, condição essencial para que a Madeira seja mais atrativa no mercado nacional e estrangeiro”, disse.

Com a manutenção do atual quadro fiscal, frisou, “a Madeira não terá condições para firmar a sua autonomia financeira até agora conseguida”.

Quanto ao Plano e Programa de Investimentos e Despesas (PIDDAR), a proposta traduz um reforço de 149 milhões, destinados a realizar ajustes nos projetos de investimentos dos vários serviços da administração pública. Com o reforço, ficam afetos 141 milhões às áreas sociais e 135 milhões à economia.

O governante madeirense também assegurou que o arquipélago “pretende garantir o aproveitamento integral dos recursos financeiros” disponibilizados pela Comissão Europeia, embora ainda não esteja definido o montante que vai ser atribuído por Portugal à região do Fundo de Recuperação.“O que se pretende é pôr a circular dinheiro na economia regional, evitar e minimizar as dificuldades dos empresários e famílias, garantindo que os apoios cheguem de forma célere e ajudem a reerguer, no mais curto espaço de tempo possível, a atividade económica e a retoma da trajetória de crescimento que a região tinha apresentando há largos trimestres”, declarou.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Estudo estima custos de 544 milhões de euros com a pandemia na Madeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião