Grupo Olivier prepara novos restaurantes. Está a recrutar para Portugal e estrangeiro

O grupo liderado pelo chef Olivier da Costa está a recrutar para os novos espaços que prevê abrir ainda este ano, em Portugal e no estrangeiro. Procura cozinheiros, copeiros e empregados de mesa.

O grupo Olivier Restaurantes, liderado pelo chef Olivier da Costa, está a recrutar para os novos espaços que vai estrear ainda este ano, em Portugal e no estrangeiro. Há vagas para cozinheiros, copeiros e empregados de mesa.

O grupo procura candidatos com experiência anterior na função, bons conhecimentos de inglês, sentido de responsabilidade e trabalho de equipa, capacidade de comunicação; dinamismo, resistência ao stress e disponibilidade para trabalhar por turnos e folgas rotativas. As candidaturas podem ser feitas através do email recrutamento@olivier.pt.

Depois de termos reaberto todos os nossos restaurantes – à exceção do Yakuza Cascais, que reabrirá logo que a unidade hoteleira onde se localiza retome a operação, e do Olivier Avenida, que está sob remodelações – e de termos lançado mais um novo conceito – o Clássico Beach Bar, na praia de São João da Caparica – procuramos alguns dos melhores profissionais do mercado para preparar a abertura de novos espaços nacionais e internacionais”, afirma Joel Pires, commercial and marketing director do grupo Olivier Restaurantes.

Sabemos que há muito talento em Portugal e queremos ter os melhores na nossa equipa, de modo a garantir o serviço de excelência e a experiência que se espera dos nossos restaurantes”, acrescenta o responsável.

O grupo Olivier detém as marcas Guilty, K.O.B, Savage, SEEN e Yakuza e tem restaurantes em Lisboa, Porto e Algarve. Iniciou o processo de expansão internacional em 2017, com a abertura do primeiro restaurante da marca SEEN, em São Paulo, no Brasil e em Banguecoque, na Tailândia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Olivier prepara novos restaurantes. Está a recrutar para Portugal e estrangeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião