Miguel Maya afasta interesse do BCP no Novo Banco: “Se já não tínhamos, muito menos agora”

O presidente executivo do BCP descartou qualquer interesse em adquirir o Novo Banco, "muito menos agora". Não está nos planos crescer por via de aquisições.

O BCP não tem nos planos qualquer aquisição ou fusão com o Novo Banco. A garantia foi deixada esta terça-feira pelo presidente do banco, Miguel Maya, na conferência de apresentação de resultados.

“O tema do Novo Banco aparece ciclicamente. O nosso objetivo não é ganhar dimensão pela dimensão, é ganhar a confiança dos clientes e aumentar a rendibilidade”, declarou Miguel Maya aos jornalistas depois de questionado sobre se o banco que lidera poderia ter interesse na compra do mercado.

O presidente do BCP foi taxativo em relação ao assunto, sobretudo em tempos de pandemia: “Não temos nenhum projeto de crescer por aquisição em Portugal. Não está nos nossos planos crescer por aquisição em Portugal. Se já não tínhamos, menos menos agora”.

"Não temos nenhum projeto de crescer por aquisição em Portugal. Não está nos nossos planos crescer por aquisição em Portugal. Se já não tínhamos, menos menos agora.”

Miguel Maya

Presidente do BCP

Miguel Maya disse ainda que se algum dia o Novo Banco for colocado à venda que a obrigação do banco é “olhar” para o negócio, mas é algo que não está nos planos. “Se temos entusiasmo ou interesse? Não temos interesse nenhum em crescer em Portugal, nem no estrangeiro, por aquisições. Gostava que ficasse claríssimo em relação a esta matéria“, afirmou.

O banco reportou esta terça-feira um lucro de 76 milhões de euros no primeiro semestre do ano, o que representa uma queda de 55% face ao mesmo período do ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miguel Maya afasta interesse do BCP no Novo Banco: “Se já não tínhamos, muito menos agora”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião