Academia de Código reforça vagas de novos bootcamps para responder a aumento do desemprego

Procura para novos cursos de programação para desempregados aumentou. Escola de programação aumenta número de vagas disponíveis para bootcamps de setembro.

A Academia de Código, escola de programação focada sobretudo em reskilling de desempregados, decidiu aumentar o número de vagas para os bootcamps com estreia em setembro, de modo a responder ao aumento de procura na sequência do crescimento da taxa de desemprego.

Os novos cursos têm 120 vagas disponíveis, número que aumenta para mais de 1.000 os programadores já formados pelo projeto português para o mercado de trabalho, desde a sua fundação, em 2015.

“Queremos democratizar a oportunidade de acesso a emprego, especialmente agora que o panorama económico e social em Portugal e no mundo não é favorável devido à crise da Covid-19. A área das tecnologias tem crescido e saiu fortalecida com a digitalização de processos e soluções”, assinala João Magalhães, CEO da Academia de Código.

De acordo com dados da Academia de Código, 95% dos formandos têm empregos o com ordenado médio superior a 1.000 euros mensais.

Os cursos de 14 semanas ensinam linguagens de programação aos participantes. “Para que o esforço financeiro não seja impeditivo da participação nos bootcamps, a startup de impacto social uniu-se a municípios, governos regionais, empresas locais e, recentemente ao Banco Montepio para democratizar o acesso a formação numa área de emprego onde há escassez de profissionais”, assinala a empresa em comunicado. Os alunos que se candidatarem aos cursos de Lisboa e Porto podem beneficiar da linha de crédito Code Academy do Banco Montepio, criada especialmente para estes bootcamps, que cobre até mais de 70% do valor. Esta parceria vai permitir, ao longo dos próximos três anos, a formação de 300 pessoas desempregadas em programadores aptos para ingressar no mercado de trabalho.

Em cinco anos de existência, a Academia de Código levou a cabo 52 bootcamps em cinco campus que a startup tem no país: Lisboa, Ilha Terceira, Porto, Aveiro e Fundão. Pode consultar mais informações aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Academia de Código reforça vagas de novos bootcamps para responder a aumento do desemprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião