Ex-GlaxoSmithKline vai gerir carreiras do The Lisbon MBA

  • Pessoas
  • 31 Julho 2020

Paula Lourenço, ex-diretora de recursos humanos da farmacêutica multinacional GlaxoSmithKline, é desde maio a diretora de carreiras e relações corporativas do The Lisbon MBA Católica|Nova.

Paula Lourenço é a nova diretora de carreiras e relações corporativas do The Lisbon MBA Católica|Nova

Paula Lourenço, ex-diretora de recursos humanos da farmacêutica multinacional GlaxoSmithKline, vai assumir a direção de carreiras e relações corporativas do The Lisbon MBA Católica|Nova. Na nova função, será responsável por guiar os futuros graduados no planeamento estratégico de novos desafios profissionais, de forma integrada com o mundo corporativo e alinhada com o futuro do trabalho.

A profissional acumula mais de 20 anos de experiência em empresas multinacionais, principalmente na área de recursos humanos, mas também na área comercial e de compliance, destacando-se ainda a liderança de vários projetos internacionais nas áreas de recursos humanos e formação. Foi diretora de recursos humanos da GlaxoSmithKline, entre 2009 e 2019, onde liderou a estratégia de gestão de talento com o objetivo de atrair, reter e acelerar o desenvolvimento, a carreira e o desempenho dos colaboradores e da empresa.

No novo cargo, terá como “principal missão apoiar os futuros graduados a realizarem todo o seu potencial, acompanhando-os numa viagem de transformação das suas carreiras, em perfeita ligação com o mundo corporativo e através de uma aprendizagem experiencial, que se pretende impactante e com propósito ao longo da vida, quer a nível pessoal, quer corporativo e da sociedade”, refere Paula Lourenço, citada em comunicado.

Paula Lourenço é licenciada em psicologia pela Universidade de Lisboa, tem um MBA com especialização em marketing pela Universidade Católica, sendo ainda certificada em coaching pela Erickson International.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-GlaxoSmithKline vai gerir carreiras do The Lisbon MBA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião