Barclays está a ser investigado por espiar colaboradores

  • Pessoas
  • 10 Agosto 2020

O Barclays está a ser investigado pelas autoridades britânicas, depois de ser acusado de utilizar um software que monitoriza a produtividade dos trabalhadores para espiar os seus computadores.

O Barclays está a ser investigado pelo Information Commissioner’s Office (ICO) depois das acusações de que o banco britânico espiava os seus colaboradores, avança o FR24news (acesso livre, conteúdo em inglês), sobre uma investigação noticiada em primeira mão pelo jornal The Sunday Telegraph. No início do ano, o Barclays anunciou que estava a mudar um sistema que monitorizava o modo como os trabalhadores usavam o tempo depois das pesadas críticas de que estava a espiar os colaboradores.

“Se as organizações querem monitorizar os seus colaboradores, têm de ser claros sobre o objetivo dessa monitorização e garantir que traz benefícios efetivos. As organizações devem informar os trabalhadores sobre a natureza, dimensão e razões de qualquer tipo de vigilância”, sublinhou o porta-voz do ICO.

Os trabalhadores do banco acusaram a empresa de espiar os seus computadores através do programa Sapience, um software que ajuda a monitorizar a utilização do computador e assim medir a produtividade dos trabalhadores, com recurso a informação anónima. Já em 2017, o Barclays foi alvo de fortes críticas por utilizar o sistema OccupyEye, para monitorizar quanto tempo cada trabalhador passava na sua secretária.

A autoridade responsável pela proteção de dados anunciou que está a ser levada a cabo uma investigação formal, sem no entanto revelar quando estará concluída.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Barclays está a ser investigado por espiar colaboradores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião