Inês Zenha é a nova diretora de recursos humanos da PLMJ

A PLMJ reforçou a equipa de recursos humanos com Inês Zenha, que vai passar a liderar o departamento. Para Bruno Ferreira, a nova diretora vai assumir um desafio central, o de desenvolver as pessoas.

A sociedade de advogados PLMJ nomeou Inês Zenha como nova diretora de recursos humanos. Com mais de 20 anos de experiência de gestão de RH em empresas multinacionais, o novo reforço da firma já liderou projetos de gestão de mudança, gestão de talento, employee engagement, recrutamento e desenvolvimento de carreiras.

Estamos a preparar a PLMJ para os próximos 20 anos e a transformação que estamos a fazer assenta numa aposta no talento em todas as nossas áreas: queremos atrair os melhores profissionais, quer estejamos a falar da nossa área de produção, quer da nossa área de gestão”, refere Bruno Ferreira, co-managing partner da firma.

Para o líder da PLMJ, a nova diretora de recursos humanos vai assumir um dos desafios “mais centrais” no processo de transformação da firma, o de “desenvolver as nossas pessoas”. “E quando falamos de desenvolver pessoas, falamos de carreira, de talento e de valores que queremos que definam a PLMJ: qualidade, inovação, criatividade e espírito transformativo”, acrescenta.

Inês Zenha iniciou carreira na Universidade Católica, onde foi coordenadora do Gabinete de Carreiras da Católica Lisbon School of Business and Economics e esteve 15 anos na consultora A.T. Kearney, onde liderou a área de recursos humanos da Ibéria e, posteriormente foi HR Lead da área de Operações Estratégicas para a região EMEA da consultora. Em 2016, assumiu a direção de recursos humanos da Universidade Europeia, do IADE e do IPAM de onde transita para liderar a área de recursos humanos da PLMJ.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inês Zenha é a nova diretora de recursos humanos da PLMJ

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião