Marcelo alerta para eventual conflito de interesses na auditoria ao Novo Banco. “Ninguém é bom juiz em causa própria”, diz o Presidente

Apesar de admitir que ainda não leu a auditoria ao Novo Banco, Marcelo diz que a auditoria realizada pela Deloitte à instituição liderada por António Ramalho pode suscitar "conflito de interesses".

O Presidente da República levanta dúvidas sobre um eventual conflito de interesses na auditoria realizada ao Novo Banco pela Deloitte. Marcelo Rebelo de Sousa diz que “ninguém é bom juiz em causa própria”.

Se tivesse acontecido que uma entidade de auditoria tivesse intervindo sendo ouvida numa operação, — qualquer que ela fosse, compra ou venda de bens — e mais tarde fosse chamada a pronunciar-se sobre essa mesma operação é evidente que aí haveria uma situação muito incómoda em termos de conflito de interesses”, defendeu o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações transmitidas pela RTP3.

Em causa está o facto de a Deloitte ter realizado, a pedido do Governo, sob proposta do Banco de Portugal, uma auditoria especial ao Novo Banco cobrindo o período entre 2000 e 2018, que revelou perdas de quatro mil milhões de euros. A Deloitte foi a mesma auditora que, em 2019, assessorou o banco a vender a seguradora GNB Vida, numa operação gerou uma perda de 250 milhões de euros.

Apesar de assegurar que ainda não leu a auditoria, Marcelo Rebelo de Sousa considera que esta situação poderá desencadear um eventual conflito de interesses. “Ninguém é bom juiz em causa própria”, rematou.

As declarações do Presidente da República surgem depois de Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, ter vindo afirmar que “o facto de a Deloitte não referir na sua auditoria que assessorou o Novo Banco na venda da GNB Vida coloca em causa a auditoria”.

Perante a polémica, a Deloitte já veio a público defender qualidade e independência do trabalho feito. “A Deloitte responde pela qualidade dos seus trabalhos e dos seus relatórios e, em particular, nesta auditoria especial, face à natureza relevante para o país e partes interessadas”, disse em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo alerta para eventual conflito de interesses na auditoria ao Novo Banco. “Ninguém é bom juiz em causa própria”, diz o Presidente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião