Conselho de Supervisão do Novo Banco: O que parecia ser banco bom, não era”

  • ECO
  • 5 Setembro 2020

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão do Novo Banco revela choque pelo facto de a gestão do BES até 2014 "ter usado todos os mecanismos para diferir riscos e problemas para o futuro".

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão do Novo Banco está chocado pelo facto de a gestão do BES até 2014 “ter usado todos os mecanismos possíveis para diferir riscos e problemas para o futuro”, revela, numa entrevista ao semanário Expresso.

“O que posso garantir e o que acho relevante é o facto de o Ministério das Finanças ter informado que as perdas foram fundamentalmente sobre ativos do BES, até 2014, e para mim isso quer dizer mais de 95%. E isso é importante. Revela que houve uma conceção errada de que o Novo Banco era o banco bom com um balanço limpo após a resolução”, sublinha o responsável.

Pouco mais de dois anos depois de ter dado a primeira entrevista ao jornal, Byron Haynes assinala que as críticas e acusações feitas, nos últimos meses, pela classe política, ao banco, não o surpreendem.

“Fiquei chocado (em 2017) com o legado tóxico que herdámos, mas o maior choque foi a evidência de que o BES até 2014 usou todos os mecanismos possíveis para diferir os riscos e problemas para o futuro”, refere, na entrevista ao jornal português.

Haynes falou também sobre a auditoria feita pela Deloitte ao BES e ao Novo Banco, entre 2000 e 2018. Conhecido esta semana, o documento analisa os atos de gestão e a origem dos créditos que provocaram perdas de 4 mil milhões de euros, todos anteriores a 2014. O gestor revela ainda ter ficado “chocado” pelo facto da gestão de o BES até 2014 “ter usado todos os mecanismos possíveis para diferir riscos e problemas para o futuro”

Sobre a auditoria feita pela Deloitte ao Novo Banco, Byron Haynes refere que se trata, em 25 anos de experiência em banca, de “um dos pedidos mais detalhados e robustos a que já assisti, cobre 18 anos, a Deloitte pediu e analisou milhares de documentos que cobrem milhares de operações. É um trabalho muito detalhado e implicou um esforço enorme do Novo Banco para entregar toda a informação pedida. E estou muito satisfeito pelo facto de este trabalho ter sido concluído.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho de Supervisão do Novo Banco: O que parecia ser banco bom, não era”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião