“Iter”, a ferramenta da Nova SBE para aprender “à medida”

A Nova SBE Executive Education lançou a ferramenta "Iter", através da qual profissionais e empresas podem definir o seu perfil, selecionar opções e assim criar um percurso de aprendizagem customizado.

Iter é a expressão em latim para “caminho, jornada de aprendizagem”, e o nome escolhido para a nova plataforma lançada esta quinta-feira pela Nova SBE Executive Education. O canal online vai substituir o portefólio de formação de executivos e, através de filtros dinâmicos, possibilitará a cada indivíduo ou organização criar o seu próprio programa de aprendizagem com base no seu perfil, necessidades e objetivos.

Além da necessidade de digitalização a que o contexto atual obriga, a Nova SBE quer simplificar e ajudar os indivíduos e organizações no momento de escolher a solução de formação ou transformação mais alinhadas com as suas necessidades reais. “Em vez de olhar para um portefólio de 50 ou 100 soluções, eu escolho com base nas minhas ‘dores’, os filtros que seleciono, e tenho uma espécie de portefólio customizado para mim”, explica à Pessoas Pedro Brito, associate dean da Nova SBE.

Simplificar escolhas e ajudar a decidir

“Como a escola conhece melhor que ninguém o portefólio de soluções, deve ser também a escola a acompanhar as pessoas e as empresas e a identificar quais são os desafios de transformação, seja de carreira, de transformação organizacional, de cultura ou digital”, sublinha Pedro Brito, associate dean da Nova SBE Executive Education.

Pedro Brito conta ainda que, na origem do Iter está o facto de, apesar de as empresas saberem explicar quais são os seus problemas, não conseguirem encontrar resposta para as soluções certas. Desconstruindo o conceito tradicional de aprendizagem, o Iter pode ajudar profissionais e empresas a serem mais autónomos e mais conscientes das suas escolhas, refere o responsável.

O back-office da vida pode ser complexo, mas o front-office da vida tem que ser cada vez mais simples.

Pedro Brito

Associate dean da Nova SBE

“Somos completamente inundados de informação e, mesmo que seja válida, é tão vasta e tão desestruturada que, no nosso dia-a-dia, temos muita dificuldade em fazer escolhas e tomar decisões. O back-office da vida pode ser complexo, mas o front-office da vida tem de ser cada vez mais simples“, assinala Pedro Brito.

Filtrar escolhas para traçar o futuro

É um profissional a título individual ou representa uma empresa? Está em Portugal ou no estrangeiro? Quer transformar a sua carreira ou a sua empresa? A nível cultural, organizacional, digital, de sustentabilidade? Prefere ensino online, presencial ou blended learning? Qual o setor de atividade? Procura um ensino mais teórico ou de aplicação de ferramentas e competências? Qual a senioridade da sua função? Estes são alguns dos filtros dinâmicos da plataforma Iter, construída através de um sistema de machine learning com base as necessidades e expectativas do mercado, do ponto de vista individual e das empresas. Os filtros vão ajudar cada utilizador a reduzir as cerca de 400 opções que o programa executivo oferece atualmente até quatro ou cinco.

No Iter, quando escolho um determinado programa ou solução, recomenda-me potenciais programas que poderá fazer depois, numa lógica sequencial.

Pedro Brito

Associate dean da Nova SBE

“Posso fazer várias pesquisas e em cada pesquisa selecionar as que são mais importantes. Como o Airbnb, coloco os filtros e posso salvar os que quero ver mais tarde e tenho ali o conjunto de portefólio que me interessa. Funciona da mesma forma, a diferença é que posso fazer o download para poder utilizar off-line esta informação“, esclarece Pedro Brito.

Depois de escolhidos os filtros, o utilizador terá uma visão global e integrada de todas as soluções num portefólio online, podendo compará-las, reavaliá-las e decidir, finalmente, se quer incluí-las no seu portefólio à medida. As escolhas dão origem a uma brochura personalizada que pode ser descarregada em formato PDF através da plataforma.

O portefólio da Nova SBE oferece soluções na componente de aprendizagem (open source education), de transformação (life long learning) mas, em qualquer momento, pode adicionar ou retirar opções do portefólio. “No Iter, quando escolho um determinado programa ou solução, recomenda-me potenciais programas que poderei fazer depois, numa lógica sequencial. Não é só o ben-u-ron, é a terapêutica de longo prazo”, metaforiza o responsável.

“A utilização massiva dos utilizadores vai ser o ponto de partida do machine learning. O próprio sistema vai aprender com a utilização dos visitantes e, com base nisso, os próprios filtros e algoritmos vão evoluir para poder dar um resultado mais interessante“, antecipa Pedro Brito. No futuro, a Nova SBE quer aliar a este programa os créditos escolares (ECTS), para que seja possível criar um currículo académico e através da combinação dos vários módulos, concluir pós-graduações ou mestrados.

Para já, no próximo ano a Nova SBE quer alargar o portefólio para soluções complementares à oferta da escola, mas que continuem a apoiar pessoas e empresas a construir o seu percurso de crescimento. “É uma mudança disruptiva no mercado, onde a Nova assume o papel de curador da melhor oferta de mercado, ajudando as pessoas a tomar as melhores decisões”, ressalva Pedro Brito.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Iter”, a ferramenta da Nova SBE para aprender “à medida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião