Executive MBA, da Nova e Católica, passa a ter selo do MIT

  • ECO
  • 27 Janeiro 2018

Católica e Nova renovam parceria com o MIT e alargam a ligação a mais um dos seus mestrados para executivos. Executive MBA do The Lisbon MBA passa a integrar semana de formação intensiva nos EUA.

As duas escolas de negócios mais conceituadas do país acabam de renovar e alargar a sua parceria com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Pela primeira vez, a ligação da Nova SBE e da Católica-Lisbon School of Business and Economics à universidade norte-americana passa a abranger não só o MBA Full Time International, como também o Executive MBA. Os alunos destes programas têm acesso a um período de formação intensiva, na Sloan School of Management, nos EUA — um mês, no caso do primeiro programa, e uma semana, no caso do segundo.

“Esta é uma parceria com a qual estamos muito contentes”, revelou ao ECO a diretora executiva do The Lisbon MBA Católica | Nova. Anabela Possidónio explicou que, ao longo da última década, esta tem sido uma ligação realmente importante e uma experiência muito positiva. “Queríamos alargar a todos os alunos”, justifica a representante o alargamento ao segundo programa.

Além de passar a integrar uma semana intensiva no MIT, o Executive MBA vai ver o seu programa alterado para responder “à vontade de internacionalizar o programa”, esclareceu Possidónio. Deste modo, o curso passa agora a seguir uma estrutura semelhante à do Executive MBA do próprio instituto americano, com aulas de três em três semanas, às sextas e aos sábados.

A nível curricular, a componente de liderança e a área de coaching foram reforçadas. “Trata-se de um modelo adaptado às exigências de profissionais de um perfil de aluno mais sénior, que procura uma maior flexibilidade e um modelo de ensino mais aplicado, sem prescindir do rigor académico”, explicam, em comunicado, as escolas portuguesas em causa.

Além disso, os alunos passam a receber três semanas de formação intensiva, durante os dois anos, acontecendo uma delas em Massachusetts — no caso do MBA Full Time International, a estada nos Estados Unidos alarga-se para um mês.

As inscrições para ambos os programas já estão abertas. No caso do Executive MBA, o custo ronda 30 mil euros e, no caso do MBA Full Time International, os alunos têm de pagar 38 mil euros.

No último ano, Executive MBA subiu 15 lugares nos rankings do Financial Times e passou a ocupar a 85ª posição a nível internacional e a 43ª a nível europeu. O programa recebe alunos de todas as regiões do país e do mundo, sendo 10% do seu corpo discente internacional, confirmou ao ECO a a Diretora Executiva do The Lisbon MBA Católica | Nova. No caso do curso a tempo inteiro, 50% dos estudantes são estrangeiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Executive MBA, da Nova e Católica, passa a ter selo do MIT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião