Powell promete apoio da Fed para combater a crise enquanto for necessário

  • Lusa
  • 22 Setembro 2020

A Fed continuará a utilizar as "ferramentas" de que dispõe para fazer o possível "durante o tempo que for necessário, para assegurar que a recuperação seja o mais forte possível", disse Powell.

O presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, prometeu esta terça-feira o apoio do banco central norte-americano para combater a crise causada pela pandemia “durante o tempo que for necessário”.

Numa audição na Câmara dos Representantes, Powell disse que desde que começou a crise, tem-se assistido a uma melhoria contínua das condições económicas nos Estados Unidos, mas a incerteza persiste. “A atividade económica recuperou do nível deprimido do segundo trimestre, quando grande parte da economia esteve parada para travar a propagação do vírus. Muitos indicadores económicos mostram uma melhoria notável”, afirmou.

No entanto, Powell advertiu que “tanto o emprego como a atividade económica se mantêm muito abaixo dos níveis anteriores à pandemia e o caminho a seguir continua a ser muito incerto”. A Fed continuará a utilizar as “ferramentas” de que dispõe para fazer o possível “durante o tempo que for necessário, para assegurar que a recuperação seja o mais forte possível e impedir que a economia sofra danos permanentes”, indicou.

Desde o início da crise causada pela pandemia de covid-19, a Fed baixou as taxas de juro de referência, que atualmente estão entre 0% e 0,25%, e recorreu a outras medidas, como injeções maciças de liquidez nos mercados financeiros e elevadas compras de dívida. Na semana passada, a Fed indicou que tenciona deixar as taxas de juro próximas de 0% até 2023, quando se espera que a inflação atinja a meta definida de 2%.

“A nossa economia vai recuperar completamente deste período difícil”, afirmou Powell, insistindo que a instituição que lidera mantém o compromisso de usar “toda a sua gama de ferramentas para apoiar a economia enquanto for necessário”. Nas últimas previsões que divulgou, o banco central espera uma contração da economia norte-americana de 3,7% no final deste ano e uma taxa de desemprego de 7,6%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Powell promete apoio da Fed para combater a crise enquanto for necessário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião