Parlamento aprova prolongamento dos apoios às rendas até ao final do ano

Até 31 de dezembro de 2020 os despejos vão continuar suspensos, assim como os prazos dos contratos de arrendamento. Inquilinos têm mais tempo para pedir um empréstimo ao IHRU.

Os despejos vão continuar suspensos até ao final do ano, bem como o fim dos prazos dos contratos de arrendamento. O Parlamento deu esta sexta-feira “luz verde” à proposta que prevê a extensão dos apoios às rendas no âmbito da pandemia. Foi também aprovado o prolongamento do prazo para pedir ao Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) um empréstimo para as rendas.

A proposta que altera o regime extraordinário de proteção dos arrendatários foi aprovada com os votos a favor do PS, Bloco de Esquerda, PCP, PEV, as deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues e o PAN e os votos contra do PSD, CDS, Chega e Iniciativa Liberal.

Com esta aprovação, os despejos — que foram suspensos a partir de março devido à pandemia — continuam suspensos até 31 de dezembro de 2020. Contudo, esta proteção não se aplica quando o inquilino começa a deixar rendas em atraso a partir de outubro.

O mesmo acontece com o prazo de caducidade dos contratos de arrendamento habitacionais e comerciais, que continua suspenso até 31 de dezembro de 2020. Isto é, até este dia, os senhorios não podem rescindir o contrato com os inquilinos, a não ser que estes assim o queiram.

Além disso, a execução de hipotecas sobre imóveis que constituam habitação própria e permanente do executado também se mantêm suspensas até ao final do ano.

A primeira vez que esta lei entrou em vigor foi a 19 de março, no âmbito da pandemia, de forma a proteger as famílias numa altura de maior fragilidade. Depois desta data, todas estas medidas extraordinárias, que tinham prazo inicial até junho, acabaram por ser estendidas até setembro. Foram novamente estendidas esta sexta-feira, desta vez até ao final do ano.

Mais tempo para pedir empréstimos aos IHRU

A proposta aprovada esta sexta-feira dá também mais tempo para senhorios e inquilinos recorrerem aos apoios do IHRU para as rendas. Assim, “até 31 de dezembro de 2020 podem ser apresentadas candidaturas com vista ao apoio financeiro do IHRU (…) para as situações de mora no pagamento da renda devido nos termos dos contratos de arrendamento no âmbito da pandemia”, refere a proposta.

No âmbito da pandemia, e em caso de perda superior a 20% dos rendimentos, o Governo criou um mecanismo de apoio às famílias (mas também para estudantes deslocados e fiadores de estudantes). Estas podem pedir ao IHRU um empréstimo para pagar as rendas, que poderá corresponder à totalidade ou a apenas uma parte da renda. Isto é, tudo vai depender dos rendimentos.

Este empréstimo não terá quaisquer juros ou comissões associadas e o pagamento do mesmo ao IHRU tem de ser feito em prestações mensais, iguais e sucessivas, de valor correspondente a um duodécimo (1/12) da renda mensal.

O mesmo apoio pode ser pedido pelos senhorios cujos inquilinos tenham optado pelas moratórias nas rendas (outra medida criada pelo Governo, que permitia a suspensão do pagamento das rendas, mas que terminou em junho). Neste caso, o IHRU comparticipa a totalidade das rendas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento aprova prolongamento dos apoios às rendas até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião