Nuno Sousa e Silva é o vencedor da quarta edição do Prémio Abreu Advogados

A Abreu Advogados premiou mais uma vez a investigação inovadora em direito. Na quarta edição o prémio foi entregue a Nuno Sousa e Silva.

Nuno Sousa e Silva foi o grande vencedor do prémio Abreu Advogados 2019/2020, pelo trabalho “Concorrência Desleal e Propriedade Intelectual: os Atos de Aproveitamento”.

Durante uma cerimónia que reuniu o júri e parceiros no auditório da sociedade, em Lisboa, foi entregue o galardão bianual do Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados, cumprindo o objetivo de incentivar projetos de investigação de excelência em domínios inovadores e com relevância para a prática da advocacia.

Nuno Sousa e Silva, professor auxiliar convidado da Escola de Direito do Porto da Universidade Católica Portuguesa e advogado, vê assim destacada a sua investigação, que também é a sua dissertação de Doutoramento, publicada em livro pelas Edições Almedina, e receberá ainda uma compensação monetária no valor de 7.500 euros.

“É com grande satisfação que entregamos este prémio a Nuno Sousa e Silva, cumprindo o nosso objetivo de valorizar a qualidade e o rigor na investigação mas também a capacidade crítica e a criatividade de abordagem para um tema de tanto relevo na atualidade do Direito”, nota Luís Barreto Xavier, coordenador do Instituto do Conhecimento.

Promovido pelo Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados, este prémio vai já na sua quarta edição e pretende aproximar a produção académica da prática jurídica realizada no âmbito das sociedades de advogados e encontrar soluções para os problemas novos com os quais são diariamente confrontadas.

“Para esta 4.ª edição do galardão bienal da Abreu, o regulamento foi reformulado no sentido de acentuar o caráter inovador dos trabalhos a submeter, bem como para exigir a relevância da investigação realizada para a prática jurídica numa sociedade de advogados de referência, sendo elegíveis trabalhos em língua portuguesa ou em língua inglesa, submetidos como teses de doutoramento ou mestrado, bem outros textos de investigação de fôlego, ainda que não submetidos a provas académicas”, refere a firma em comunicado.

O júri do Prémio Abreu Advogados 2019/2020 é composto por: Benjamim Silva Rodrigues (Juiz Conselheiro Jubilado do Supremo Tribunal de Justiça), Isabel Marques da Silva (Juíza Conselheira do Supremo Tribunal Administrativo), Jorge Sinde Monteiro (Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra), Luís Fábrica (consultor da Abreu Advogados e Professor da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa), Maria Lúcia Amaral (Provedora de Justiça, Professora da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa e antiga Juíza Conselheira e Vice-Presidente do Tribunal Constitucional), Paulo de Tarso Domingues (sócio da Abreu Advogados e Diretor da Faculdade de Direito da Universidade do Porto), Paulo Teixeira Pinto (consultor da Abreu Advogados) e Urbano Lopes Dias (Juiz Conselheiro Jubilado do Supremo Tribunal de Justiça).

Na sessão, que decorreu no auditório escritório da Abreu Advogados e transmitida online, estiveram presentes: Luís Barreto Xavier, o coordenador do Instituto do Conhecimento Abreu Advogados e consultor para a Inovação da Abreu; Manuel Fontaine, diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Católica; Jorge Sinde Monteiro, membro do júri e Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra; Duarte de Athayde, managing partner da Abreu Advogados; Carmo Sousa Machado, chairman da Abreu Advogados; e Nuno Sousa e Silva, o vencedor do Prémio Abreu Advogados 2019/2020.

A edição da publicação vencedora está disponível em: https://www.almedina.net/concorr-ncia-desleal-e-propriedade-intelectual-os-atos-de-aproveitamento-1597225988.html

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Sousa e Silva é o vencedor da quarta edição do Prémio Abreu Advogados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião