Revolut está a contratar. É a primeira vez que procura engenheiros em Portugal

A fintech tem oito posições para engenheiros de back-end e front-end e mais de 50 vagas para o Centro de Suporte em Matosinhos. É a primeira vez que a fintech recruta engenheiros em Portugal.

A Revolut anunciou esta terça-feira que tem seis posições abertas para a contratação de engenheiros de back-end e duas para engenheiros de front-end, em Portugal. Paralelamente, a fintech tem mais de 50 vagas para 10 funções no Centro de Suporte e Inovação em Matosinhos e quer recrutar para os cargos de operations manager, suporte, analistas de dados, analistas de crime financeiro, entre outros. A contratação será feita de forma totalmente remota e os profissionais terão de reportar às equipas da sede, em Londres.

Os candidatos à função de engenheiro de back-end senior devem ser fluentes em java e, preferencialmente, também em kotlin. Devem ter no mínimo cinco anos de experiência em desenvolvimento de back-end e ter formação superior em engenharia, ciência, física, matemática, ciências computacionais, ou similares. Já na posição de front-end, a tecnologia requerida é a reactJS.

“Nesta função, os engenheiros deverão criar APIs móveis e trabalhar na arquitetura de projetos em gestão de risco, deteção de fraude e processamento de pagamentos. A equipa responsável pela vaga de contratações tem alguns dos projetos mais inovadores na organização, que incluem a aceitação de pagamentos por cartão, quer em lojas online através de plugins e widgets, ou lojas físicas, com o desenvolvimento de um terminal de pagamentos próprio, que permitirá aos retalhistas substituir os atuais terminais de pagamento automático, em Portugal, muitas vezes limitados aos pagamentos com cartões de bancos nacionais – pertencentes ao esquema doméstico de Multibanco”, detalha a Revolut em comunicado.

 

Em agosto, o banco digital anunciou quase 300 vagas com lugares para Portugal. O aumento do número de lugares agora anunciados surge na sequência da abertura do escritório em Matosinhos, em 2019, que se tornou a segunda maior unidade da empresa na Europa e que conta já com 100 pessoas.

Apesar da pandemia, a fintech londrina é das que mais cresce na Europa, com cerca de 13 milhões de clientes em todo o mundo e mais de 2.000 colaboradores a nível global.

Os detalhes das vagas podem ser consultados na página oficial da empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revolut está a contratar. É a primeira vez que procura engenheiros em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião