“Senti que era preciso haver um abanão na sociedade”, diz António Costa

  • Lusa
  • 15 Outubro 2020

O primeiro-ministro justifica as novas medidas decretadas por causa da pandemia com a necessidade de dar um abanão ao país para que se alterem comportamentos.

O primeiro-ministro diz que as novas medidas decretadas na quarta-feira por causa da pandemia, que incluem a declaração do estado de calamidade, surgiram porque era preciso dar um abanão ao país para que se alterem comportamentos.

Numa entrevista que será publicada esta sexta-feira no Público, António Costa diz que o Executivo sentiu necessidade de “enviar um sinal claro” aos portugueses de que é preciso alterar comportamentos. E rejeitou que as medidas tivessem a ver com “o número mágico” das duas mil infeções diárias, ultrapassado na quarta-feira, e preferiu justificar a decisão com a “situação grave que o país está a viver de subida consistente dos casos” desde meados de agosto.

“Senti muito claramente que era preciso haver um abanão na sociedade”, reconheceu António Costa, acrescentando: “O tempo foi passando, as pessoas foram ficando saturadas, foram-se habituando ao risco ou desvalorizando o risco porque a faixa etária [dos contágios] foi mudando”.

Questionado sobre a possibilidade de Portugal regressar, no futuro, a um confinamento geral, António Costa resistiu à ideia pelos custos sociais e económicos que lhe estão associados e insistiu que, nesta fase, “é no comportamento individual” que está a chave da questão. “Se posso jurar a pés juntos que não serão dados passos dramáticos? Não posso. É uma questão de bom senso. Mas temos de o evitar”, afirmou.

O primeiro-ministro elogiou o SNS, dizendo que hoje “está mais bem preparado para lidar com a doença” e que o sistema está pronto para crescer consoante as necessidades. Adiantou que “estão a ser acionadas extensões de campanha” em Lisboa, à semelhança do que acontece no Porto. “O Hospital das Forças Armadas já foi reativado e está a ser preparado outro hospital de campanha, em frente ao Santa Maria, na Cidade Universitária”.

António Costa anunciou na quarta-feira novas medidas para travar o aumento do número de casos de coronavírus, entre as quais a situação de calamidade para todo o território nacional, que se manterá pelo menos até final do mês. O Governo vai ainda tentar tornar, através de um projeto-lei, que o Parlamento torne obrigatória em contexto laboral e escolar a aplicação StayAway Covid. Ao Público, Costa adiantou que não houve nenhuma conversa prévia com os partidos sobre a matéria.

No texto entregue pelo Governo na Assembleia da República, a que a Lusa teve acesso, prevê-se um regime de multas entre os 100 e os 500 euros para os casos de incumprimento da lei.

O artigo 4.º da lei define que “é obrigatória, no contexto laboral ou equiparado, escolar e académico, a utilização da aplicação Stayaway Covid pelos possuidores de equipamento que a permita”. E determina-se que esta obrigatoriedade “abrange em especial os trabalhadores em funções públicas, funcionários e agentes da Administração Pública, incluindo o setor empresarial do Estado, regional e local, profissionais das Forças Armadas e de forças de segurança”.

Já sobre o uso de máscara nas ruas, o texto define que será obrigatório sempre “se mostre impraticável” manter a distância física entre pessoas. A lei fixa três exceções para esta obrigação, no caso de “se tratar de pessoas com deficiência cognitiva, do desenvolvimento e perturbações psíquicas”, que devem ter um atestado médico de incapacidade multiusos ou declaração médica. Está igualmente prevista a exceção para pessoas com “condição clínica” que “não se coaduna com o uso de máscaras”, atestada através de declaração médica.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Senti que era preciso haver um abanão na sociedade”, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião