Lucros do BCP na Polónia afundam 75% até setembro

O Bank Millennium na Polónia, que é controlado pelo BCP, viu os lucros afundarem 75% entre janeiro e setembro, para o equivalente a 29,8 milhões de euros.

Os lucros do BCP na Polónia caíram 75% nos primeiros nove meses do ano, fixando-se em 132 milhões de zlótis (29,8 milhões de euros). A informação foi comunicada esta terça-feira à CMVM.

O Bank Millennium é detido em 50,1% pelo Banco Comercial Português e explica o desempenho mais fraco com a constituição de provisões extraordinárias e com custos de integração relacionados com o Euro Bank.

Concretamente, o banco constituiu provisões extraordinárias de:

  • 297,7 milhões de zlótis (67,3 milhões de euros) relacionadas “com riscos legais associados a empréstimos concedidos em moeda estrangeira”;
  • 69,3 milhões de zlótis (15,7 milhões de euros) “relacionadas com os riscos da Covid-19”;
  • e 60,5 milhões de zlótis (13,7 milhões de euros) de provisões relacionadas com o reembolso antecipado de crédito pessoal”.

O BCP na Polónia assegura uma “rendibilidade operacional estável” nos nove meses em análise, destacando um return on equity de 2,1% e um rácio cost to income de 46,4%.

No período, os proveitos operacionais cresceram 6% em termos homólogos, enquanto a margem financeira aumentou 9%. As receitas com comissões aumentaram 7%, mas os custos operacionais também cresceram, 9% em termos homólogos.

O banco tem um rácio de crédito com imparidade de 4,7% e um rácio de loans-to-deposits de 85%. Os rácios de capital total e CET1 estão em 20% e 17%, respetivamente.

No segmento de retalho, o Bank Millennium na Polónia conta com 2,64 milhões de clientes ativos, um aumento homólogo de 30%. Os depósitos cresceram 2% e o portefólio de crédito aumentou em 7%.

No segmento de empresas, o banco destaca que os depósitos aumentaram 21% em termos homólogos. Já a concessão de crédito recuou 1%.

(Notícia atualizada pela última vez às 8h08)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros do BCP na Polónia afundam 75% até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião