EY lança ferramenta para (auto)avaliar a gestão de pessoas

  • Pessoas
  • 28 Outubro 2020

A lançou a EY People Agenda, uma ferramenta para apoiar a gestão de recursos humanos. Os especialistas da EY ajudam os gestores a fazer uma autoavaliação e traçar o melhor plano para o futuro.

A consultora EY lançou a plataforma EY People Agenda para ajudar a gerir a estratégia de gestão de recursos humanos dentro das organizações. Através de uma sessão interativa, feita à medida de cada organização com especialistas da EY, os gestores podem fazer uma autoavaliação do estado atual de desenvolvimento das políticas de gestão de pessoas, em alinhamento com as melhores práticas no mercado, e traçar objetivos para o futuro.

As sessões de avaliação da EY têm por base as “alavancas fundamentais de crescimento”: planeamento de recursos humanos e organizacional, expectativa e envolvimento do talento, a tecnologia e transformação em gestão de pessoas e a mobilidade de recursos humanos. Depois de cada sessão, a consultora constrói um roadmap que ajudará as organizações a alcançar os objetivos desejados.

Nas sessões é possível partilhar experiências com empresas nacionais e internacionais, dos diversos setores de atividade, e ainda comparar dados e exemplos de boas práticas de gestão de recursos humanos.

“Passando por cada uma das alavancas de crescimento, conduzimos uma discussão estruturada que permite identificar os pontos mais críticos em termos de necessidades e prioridades de evolução”, explica a consultora na página oficial.

“A EY People Agenda é uma ferramenta de apoio única, que nos permite visualizar o ponto de partida e definir onde queremos chegar, identificando as ações mais adequadas para alcançar os objetivos, atendendo ao vosso contexto. Permite-nos ainda garantir que logo após a sessão podemos entregar-vos um relatório de diagnóstico com um roadmap de iniciativas que o guiarão do estado atual para o estado futuro desejado”, lê-se ainda no comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EY lança ferramenta para (auto)avaliar a gestão de pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião