“Promova”: CIP lança 2.ª edição do programa de formação para mulheres executivas

A CIP, com o apoio da Nova SBE, lança mais uma edição do "Promova", um programa de formação executiva para ajudar mulheres a chegar à liderança nas organizações e promover a igualdade de género.

A CIP – Confederação Empresarial de Portugal, em parceria com a Nova SBE, apresenta esta quinta-feira a segunda edição do Programa Promova, um programa de formação executiva para mulheres. O objetivo é identificar e desenvolver talentos femininos com potencial de liderança, promovendo o acesso a cargos de gestão de topo e, ainda, promover a cultura de igualdade de género nas empresas. O programa dura um ano, terá início em março de 2021 e, tal como na edição do ano passado, será limitado a 30 vagas.

O programa destina-se a empresas que queiram promover a igualdade de género e a mulheres em cargos de liderança — com experiência profissional mínima de 10 anos — e que contem com o apoio da empresa onde trabalham.

A importância da transformação pessoal

Propósito, transformação e impacto são as linhas orientadoras do programa de formação. No primeiro módulo, os conteúdos têm por base o autoconhecimento, personal branding, comunicação e storytelling, com recurso a técnicas como o coaching e o mindfulness, que será reforçada nesta edição como uma atividade paralela.

Numa segunda fase, as participantes têm acesso a sessões de transformação que as desafiam a repensar o seu papel nas organizações e partilhar experiências com executivas de outras empresas. Inclui ainda formação em temas como a política, macroeconomia e sociedade, transformação digital e corporate governance feminina.

Sessão de formação na Nova SBE durante a 1.ª edição do programa “Promova”.D.R.

“Na generalidade há uma partilha e percebe-se que a maioria das participantes têm semelhanças nas suas preocupações e os desafios que no dia-a-dia atravessam nas empresas são bastante semelhantes. Sente-se que a transformação cultural é necessária“, realça à Pessoas Carla Sequeira, secretária-geral da CIP e coordenadora do projeto.

Paula Panarra, diretora-geral da Microsoft, Isabel Vaz, CEO do grupo Luz Saúde e Isabel Barros, administradora executiva da Sonae, foram algumas das convidadas a partilhar experiências neste módulo durante a primeira edição do programa.

No terceiro e último módulos, as participantes focam-se em estratégia e novos modelos de negócio, desempenho e progresso sustentável e na construção de um mindset de mudança. “No final deste percurso, estas líderes serão não só capazes de criar impacto na sua empresa, como também na própria sociedade, com vista à criação de um futuro sustentável (do ponto de vista económico, social e ambiental)”, refere a CIP em comunicado.

Construir um “mindset” de diversidade

Desde 2005, Portugal subiu dez lugares para o 16.º lugar no ranking do Instituto Europeu para a Igualdade de Género, mas ainda há passos para dar. Em 2016, só 28,6% das lideranças nas empresas eram femininas e, no caso das empresas cotadas, a percentagem desce para os 11,9%, lembra Carla Sequeira.

Carla Sequeira lembra que a cada vez maior expressão de mulheres nas lideranças em cargos públicos, como na política, também contribui para um “mindset de diversidade”. No contexto da pandemia, a promoção da liderança feminina ganha ainda mais importância.

“Ainda ficou mais visível a necessidade de as empresas serem inovadoras, serem flexíveis e de se adaptarem ao enquadramento sempre mutável. São equipas diversas que trazem a inovação e a criatividade e permitem responder aos vários desafios que vão ocorrendo e são cada vez mais diferentes no dia-a-dia. Mesmo do lado das mulheres, o facto de terem tido necessidade de se adaptar e muitas terem trabalhado em casa, também as levou a pensar que é possível conciliar tudo isto“, sublinha a coordenadora.

Em 2019, o projeto “Promova” recebeu 50 candidaturas e integraram o programa 32 candidatas de 27 empresas. A primeira edição do programa ainda está a decorrer e deverá terminar em junho do próximo ano.

As candidaturas para a edição deste ano ficam disponíveis esta tarde, a partir das 18h00, até 1 de fevereiro de 2021. As empresas e as candidatas interessadas podem fazer a candidatura online na página oficial do projeto, que deve incluir o CV atualizado, uma candidatura online, uma carta de apoio da empresa e um certificado de inglês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Promova”: CIP lança 2.ª edição do programa de formação para mulheres executivas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião